O INDICETJ.COM traz até você - em modo para impressão - destaques da seção "Emails" do indispensável site Testemunha (Odracir)

 

 

 facebok

GRUPO INDICETJ EX-TJ

Participe também!

010 - "Por favor, não responda!"

R. B., Brasil, 5/5/2001

Temos a liberdade de escolher a religião e ao Deus que adoramos, qualquer opinião vinda de outras pessoas ou entidades tira o direito ou o livre arbítrio. Se você não tem nada de bom para falar de alguém, o silêncio é melhor. Sirva ao seu deus que com certeza não é o Meu. 

Não responda este e-mail.

Prezado Senhor,

 

a) Sob a alegação de preservar o ‘livre-arbítrio’ e a liberdade de religião, o senhor condena a emissão de ‘opiniões’ por parte de ‘pessoas’ ou ‘entidades’. No entanto, o senhor estranhamente não parece achar que a atividade de certas ‘entidades’ que batem à porta das pessoas nas manhãs dos fins-de-semana - exatamente para emitir o parecer ou a ‘opinião’ de um grupo religioso em particular – contrarie essa mesma liberdade ou livre-arbítrio. Ainda mais quando, nessas mesmas visitas, as pessoas são incentivadas a examinar cuidadosamente as crenças e o passado de suas religiões, abrindo campo para uma possível mudança de credo, naturalmente em favor daquele que os simpáticos ‘visitantes’ trazem a sua casa (livro A Verdade que Conduz..., pág. 13, parágrafo 5). Não acha contraditório???

 

b) O senhor insiste que ‘quando não se tem nada de bom para falar de alguém, o silêncio é melhor’. Nesse caso, queira, por favor, explicar-me a razão por detrás dessas palavras:

"As igrejas Católica, Ortodoxa e, mais tarde, as Protestantes... tornaram-se parte de Babilônia a Grande, o império mundial da religião falsa do diabo." Revista A Sentinela de 1/12/1991, pág. 13.

Se a Torre de Vigia não tinha ‘nada de bom’ para falar destas denominações religiosas, as quais abrangem mais de um bilhão de seres humanos pelo mundo, POR QUE NÃO PREFERIU O ‘SILÊNCIO’?

“... O Clero Protestante... com os rabis da organização religiosa judaica, seguem as direções da organização Católica Romana... todos eles praticam a religião, da qual o diabo é o autor.” - Livro Inimigos (1937), pág. 212 (em inglês).

Se a Torre de Vigia nada tinha de bom para falar dos judeus, por que proferiu as amargas palavras acima, AO INVÉS DE PREFERIR O SILÊNCIO?

Talvez também possa me explicar a razão para a Torre de Vigia, em sua edição de 8/6/1984 de A Sentinela, criticar severamente a pessoa do Papa João Paulo II, insinuando que ele é um impostor hipócrita – um homem de ‘muitas faces’.

Aparentemente, quando se trata da defesa de suas próprias ideias e da promoção de sua instituição, a Torre de Vigia não vê sentido algum no ‘silêncio’, não é verdade?

Justifique as razões para as Testemunhas de Jeová não preferirem o silêncio nestas e noutras questões e eu justificarei o fato de eu também não preferir...

 

c) A seguir, o senhor faz um ataque do tipo ad hominem – atacando a fonte de um argumento ao invés do próprio argumento – por lançar mão de um comentário místico e vazio, o qual aplica a mim o vocábulo ‘deus’, com ‘d’ minúsculo e a si próprio, o vocábulo ‘Meu’, com ‘M’ maiúsculo. Trata-se de uma pueril mensagem subliminar, por meio da qual classifica a mim como adorador do diabo e a si próprio como adorador do verdadeiro Deus. Diga-me, costuma ser tão modesto assim em seu trato diário com as pessoas a quem não conhece? Recomendo-lhe a leitura de Lucas 18: 9-15 – lá vemos a parábola do fariseu e do pecador. O fariseu – confiante de si – levanta os braços e fala:

“Ó Deus, agradeço-te de que não sou como o resto dos homens... ou mesmo como este cobrador de impostos; jejuo duas vezes por semana e dou o décimo de todas as coisas que adquiro.”

Quanto ao pecador, permaneceu cabisbaixo, reconhecendo sua condição e pedindo clemência. A qual dos dois veio o favor de Deus? O relato termina por dizer:

“... o que se enaltecer será humilhado, mas o que se humilhar será enaltecido.”

A que classe o senhor acha que as palavras em sua mensagem se ajustam melhor - à do pecador ou à do fariseu?

 

d) O senhor conclui sua lacônica mensagem com uma cláusula de fuga – ‘não responda este e-mail’. Sinceramente, acha justo que o senhor possa expressar seus sentimentos sem ter que ouvir a reação dos outros? O que o senhor teme? Acaso algo do que eu possa lhe revelar poderia abalar a sua fé em uma organização humana? Se está convicto de que detém a ‘verdade’, por que foge do debate? Teme os fatos ou está simplesmente seguindo o conselho de A Sentinela de 1/10/1993, pág. 19 – odiando ‘no sentido bíblico’ todo aquele que discorda dos ensinos da Torre de Vigia?

As escrituras dizem: “Replicar um assunto antes de ouvi-lo é uma tolice e uma humilhação” – Provérbios 18: 13.

Ao ler os evangelhos, vemos um Cristo intrépido, combativo, perspicaz, jamais fugindo dos argumentos de seus opositores, mas pronto para esmagar qualquer mentira ou tolice com os fatos e com a verdade. Não se vê nele qualquer traço de covardia. Acha que a atitude manifesta na mensagem que enviou a mim está em harmonia com os atos de Jesus Cristo? Ou está mais em sintonia com os dos fariseus, os quais, não podendo vencer seus argumentos, passavam a amaldiçoá-lo, tramando contra ele?

Quando o senhor enviou-me sua mensagem, certamente esperava que eu a lesse, de modo que é agora sua obrigação – senão moral – pelo menos por uma questão de boas maneiras e civilidade, ler minha réplica. Do contrário, estará expressando o mesmo espírito dos golpistas militares, os quais amordaçaram o povo brasileiro por cerca de 30 anos, impondo-lhe pesada censura e cerceamento de liberdades individuais. Sente saudades daqueles tempos?

Se eu tivesse manifestado uma atitude como a do senhor, sua mensagem teria sido apagada imediatamente. Todavia, o compromisso com a coerência e com o direito de expressão – próprio de uma democracia – me impede de fazê-lo.

Imagino que deva se sentir afligido em sua consciência por ter tido uma atitude independente, experimentando a livre iniciativa de visitar minha HP – coisa claramente proibida pela Torre de Vigia (A Sentinela de 15/7/1983, pág. 22) – e tenha sentido a necessidade de extravasar seus sentimentos diante de evidências concretas, as quais não consegue refutar. Acho perfeitamente compreensível - mais que isso, trata-se de um procedimento comum às Testemunhas de Jeová que se sentem ofendidas com as exposições que faço em meu site. Como fui uma delas por mais de dez anos, entendo bem sua dor e frustração. Afinal, é duro constatar – para seu horror – que as declarações que publico estão, de fato, na literatura da Torre de Vigia, com nome, data e página.

De modo que sua mensagem está dentro do padrão típico – ataques pessoais, críticas vazias, maldições e absolutamente nenhum argumento sólido ou qualquer prova documental. Nem mesmo uma crítica séria aos documentos que apresento. Examine minha seção “De Nossos Leitores” e constatará tal fato. Lamento que seja assim e acho difícil, a essa altura, esperar do senhor algo mais além disso. Em todo caso, sinta-se livre para tentar...

Seja bem-vindo à minha HP.

Odracir

 

 facebok

GRUPO INDICETJ EX-TJ

Participe também!

 


 

AQUI! ÍNDICE de ARTIGOS de A a Z