Aquilo que nos é dado como verdade bíblica

deve ser investigado ou aceito automaticamente? O que acha?

Ora, o proceder correto não seria provar para si mesmo, com a Bíblia, se aquilo que estudamos é ou não a verdade? As pessoas receptivas da cidade de Beréia foram elogiadas porque examinavam as Escrituras, "cada dia", para ver se aquilo que Paulo e Silas lhes disseram era a verdade:

"Ora, estes últimos eram de mentalidade mais nobre do que os de Tessalônica, pois recebiam a palavra com o maior anelo mental, examinando cuidadosamente as Escrituras, cada dia, quanto a se estas coisas eram assim." — Atos 17:11.

Quão profundo era este exame? Explica a revista Despertai! de 8 de outubro de 1991, página 13:

"O exame feito por eles não era superficial. Aqueles judeus bereanos faziam sondagens cuidadosas para confirmar se era verdade aquilo que Paulo e Silas estavam ensinando, à base das Escrituras, sobre Jesus como o Messias há muito prometido."

De modo similar, não é este o proceder razoável a adotar com respeito à mensagem proclamada hoje pelas TJs (Testemunhas de Jeová)?

Considere o que a liderança das Testemunhas de Jeová diz sobre seus ensinos, práticas e crenças:

A Sentinela de 1º abril de 1984, página 9, parágrafos 4 e 5.

"Durante a Grande Guerra de 1914-18, os cristãos ungidos se tornaram espiritualmente cativos, e alguns, incluindo diretores da Sociedade Torre de Vigia, dos EUA, foram trancafiados em prisões literais. Mas, em 1919 veio o livramento. (...) Assim, o povo do próprio Deus ficou completamente livre de falsos ensinos e práticas religiosas."

A Sentinela de 15 de fevereiro de 2004, página 6.

"... as Testemunhas de Jeová têm sido notadas devido à sua influência para o bem. A fim de evitar qualquer contaminação com a religião falsa, baseiam suas crenças e práticas somente na Palavra inspirada de Deus, a Bíblia."

Livro O Que a Bíblia Realmente Ensina?, página 146, parágrafos 6 e 7.

"... Assim, as crenças e as práticas da religião verdadeira não se baseiam em conceitos humanos nem em tradições. Elas se originam da Palavra inspirada de Deus, a Bíblia. ... Assim também hoje, os servos de Deus não ensinam suas próprias idéias. Eles acreditam que a Bíblia é a Palavra de Deus e baseiam seus ensinos firmemente no que ela diz.

Se você é um estudante ou mesmo uma zelosa TJ, pare e reflita com honestidade: Até que ponto mostro "mentalidade nobre" como os bereanos "fazendo sondagens cuidadosas para confirmar se é verdade aquilo que" ensina os do Corpo Governante (liderança máxima que define todos os ensinos e práticas das Testemunhas de Jeová)? Aquele que faz disso um costume regular na vida é considerado feliz. (Sal. 1:1, 2) Note o que diz o Corpo Governante em duas de suas publicações:

"No que se refere aos ensinos apresentados como verdade bíblica, as Testemunhas endossam fortemente o proceder seguido pelos bereanos... As Testemunhas de Jeová crêem que todos os ensinos religiosos deviam ser submetidos a esta prova, de estar de acordo com as Escrituras inspiradas, quer o ensino seja apresentado por elas, quer por outros. Convidam-no e exortam-no a fazer isso nas suas palestras com elas." - Fonte: Testemunhas de Jeová ― Quem são? Em que crêem?, página 3.

"Visto que muitas religiões, hoje em dia, não estão fazendo a vontade de Deus, não podemos simplesmente presumir que os ensinos da organização religiosa com que nos associamos estejam em harmonia com a Palavra de Deus. O mero fato de a Bíblia ser usada por uma religião não prova, em si mesmo, que todos os ensinos e práticas dela se baseiem na Bíblia. É importante que nós mesmos examinemos se se baseiam ou não. (...) A religião que é aprovada por Deus tem de concordar em todos os sentidos com a Bíblia; não aceitará certas partes da Bíblia, rejeitando outras partes. — 2 Timóteo 3:16." - Fonte: Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra, página 31.

Se parássemos aqui, o público em geral teria a feliz impressão de que as TJs têm um só pensamento: são 100% favoráveis ao "proceder [investigativo] seguido pelos bereanos". Contudo, a decepção começa quando percebemos quão abrangente é este "endosso".

 

DOIS PESOS ― "DETESTÁVEL PARA JEOVÁ"

Talvez conheça as palavras de Provérbios 20:23:

"Dois tipos de pesos [um que dá à pessoa, quando compra, uma vantagem injusta, e outro que a habilita a tapear outros quando vende] são algo detestável para Jeová." 

Se você é TJ, talvez ainda não tenha percebido que a anunciada liberdade bereana de "examinar cuidadosamente" o ensino distribuído pelo "escravo fiel e discreto" (= Corpo Governante) é concedida apenas ao público externo. Para quem já é membro, o "escravo" não confere esta autorização. Se você é TJ, então, é prova viva de que isso é verdade! Afinal, se sair por aí dando uma de bereano dizendo que vai esmiuçar ou "submeter à prova" o ensino do "escravo" a fim de verificar se se originam de Deus, certamente não será visto com bons olhos, será?

Pode ser muito doloroso para uma TJ dar-se conta de que o "peso", isto é, a instrução para os de fora é X, e para os que já tem a marca da Associação é Y. Francamente, é muito triste ler na Sentinela de 15 de agosto de 1981, página 19, algo assim:

"Uma vez que verificamos qual o instrumento que Deus usa como seu "escravo" para distribuir o alimento espiritual ao seu povo, Jeová certamente não se agradará se recebermos este alimento como se pudesse conter algo prejudicial. Devemos ter confiança no instrumento que Deus usa."

Assim, o ponto de vista da liderança quanto a necessidade de se verificar o alimento vindo dela mesma – o "instrumento que Deus usa" - é bem claro: "uma vez verificado", sempre verificado! Não há necessidade de verificar cada novo "alimento" vez após vez. Daí para frente, você terá que aceitar automaticamente tudo o que disserem - confiando que nada lhe será prejudicial.

Ensinam que madureza cristã é "aceitar genuinamente o pleno conjunto da verdade cristã, sem mais duvidar, questionar ou desafiar todo novo pensamento" trazido nas publicações (A Sentinela de 15 de dezembro de 1982, página 9, parágrafo 17). Afinal, segundo explica a revista A Sentinela de 1º de março de 1986, página 5, "à medida que aprender as verdades bíblicas com a ajuda dessas publicações, você passará a entender exatamente... todo o conjunto de ensinos cristãos que se encontram na Palavra escrita de Deus que contém a verdade — a Bíblia".

Assim, em forte contraste com as admoestações para os membros de outras organizações religiosas, espera-se que cada Testemunha...

Caso contrário, o "escravo" já decidiu qual será a reação de Deus: "Jeová certamente não se agradará". Diante disso, qual das coagidas TJs ousaria fazer algo que ― segundo a liderança ― "certamente" desagradaria a Jeová?

 

EXAME CUIDADOSO SÓ PARA OS NÃO-BATIZADOS?

Mas, não estaria a liderança certa ensinando que a averiguação de "todos os [seus] ensinos e práticas" seja limitada aos iniciantes e não aos que já estão no suposto "caminho da verdade", talvez por vários anos? O que realmente dizem as Escrituras? Considere você mesmo:

"Amados, não acrediteis em toda expressão inspirada, mas provai as expressões inspiradas para ver se se originam de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo afora." — 1 João 4:1.

Estas palavras não foram destinadas aos que estavam fora. Aplicavam-se aos "amados" membros da congregação cristã. De fato, o próprio Jeová, ao inspirar a escrita do apóstolo João, instruiu aos "amados" a "provar" aquilo que recebiam como alimento espiritual! Deveriam fazer isso "para ver se se originavam de Deus" ou se, na realidade, continha algo prejudicial!

Tem você feito o mesmo com respeito aos ensinos das TJs? Raciocine: Se até mesmo "expressões inspiradas" deveriam ser "provadas", quanto mais deveriam ser as palavras não inspiradas da liderança das TJs! Como pode o Corpo Governante determinar que aquele que põe à prova seu ensino "desagrada" a Jeová se Ele mesmo espera que façamos isso?! Assim, é só natural indagar: Por que o Corpo Governante condena tanto que seus adeptos realizem tal "prova"?

Os legítimos cristãos ungidos esperavam que esta "prova" incluísse suas próprias declarações. Note o que escreveu o apóstolo Paulo - que, segundo as TJs, "fazia parte do corpo governante cristão do primeiro século" (A Sentinela de 1º de dezembro de 1985, página 32):

"... mesmo que nós ou um anjo do céu vos declarássemos como boas novas algo além daquilo que vos declaramos como boas novas, seja amaldiçoado" ― Gálatas 1:8.

A expressão "mesmo que nós... vos declarássemos" é prova incontestável de que o ensino dos próprios apóstolos deveriam sim ser profundamente examinados pelos já cristãos!

Os ouvintes de Paulo mostrariam ser maduros fazendo exatamente o oposto do que disse a revista Sentinela já mencionada! Mesmo os ungidos apóstolos escolhidos diretamente por Jesus Cristo deveriam ser "amaldiçoados" caso declarassem "algo além" ou diferente da vigente boas novas! Ao fazer com que Paulo registrasse estas palavras, Jeová revela seu desejo amoroso e justo de que nunca aceitemos cegamente algum ensino sem "duvidar, questionar ou desafiar todo novo pensamento" declarado - mesmo que a fonte seja o "instrumento que Deus usa". Quão diferente é isso das admoestações dos "ungidos" líderes das TJs! Eles não querem que nenhuma Testemunha de Jeová faça isso de jeito algum! E lutarão contra tal possibilidade. Por exemplo, leia e espante-se com a comparação genérica e ameaçadora do Corpo Governante aos que – seguindo as orientações bíblicas - procuram "prová-lo" e "examiná-lo cuidadosamente":

 

"20 Satanás, desde o começo de sua rebelião, questionou a maneira de Deus fazer as coisas. Promoveu idéias independentes. ‘Você pode decidir por si mesma o que é bom e o que é mau’, disse Satanás a Eva. ‘Não precisa escutar a Deus. Ele realmente nem lhe está dizendo a verdade.’ (Gênesis 3:1-5) Até hoje, tem sido o desígnio sutil de Satanás contagiar o povo de Deus com esse tipo de idéias. — 2 Timóteo 3:1, 13.

"21 Como se manifestam tais idéias independentes? Um modo comum é questionar o conselho provido pela organização visível de Deus..." — Fonte: A Sentinela de 15 de julho de 1983, página 22.

Não questione!

Não objete!

Não critique!

Não duvide!

Não suspeite!

Certamente, não é apropriado questionar a Deus como fez Satanás! Ora, e quem está dizendo para fazer tal coisa? Não é disso que tratamos aqui! Veja bem: Os leitores da Sentinela são fortemente advertidos de que questionar até o mero "conselho" da auto proclamada "organização visível de Deus" - mesmo os não doutrinais - é semelhante a agir como Satanás! Repito: nem mesmo o "conselho" pode ser questionado! A mesma revista, em outra edição, diz:

"Portanto, a lição é que, se criarmos o hábito de deixar de ‘escutar a própria voz’ de Jeová, desconsiderando o seu conselho dado por meio da sua Palavra e da classe do escravo fiel, não demorará muito até que nosso coração fique calejado e endurecido." - A Sentinela de 15 de julho de 1998, página 13, § 19.

Não há espaço para algum bereano! Segundo o "escravo", apenas alguém sob influência satânica faria tal "exame" em suas publicações! Apenas se o "conselho" não for dado pelo "escravo" é que "deve ser analisado com base na orientação sólida da Palavra de Deus." (A Sentinela de 1º de julho de 2005, página 31.) Na realidade, espera-se que todos os membros aceitem de olhos fechados todo o ensino dado mediante as publicações – sem nenhum tipo de "verificação". Afinal, segundo afirmado, escutar o que é dito por meio do escravo é "'escutar a própria voz' de Jeová".

A dura realidade é: Se alguma Testemunha de boa vontade questionar a dita "organização visível de Deus" [ou quando esta declarar "algo" como "boa nova" - tal qual um "novo entendimento", "ou criticar o modo como certo assunto é tratado", ou mesmo "criticar os métodos de instrução"] - a própria pessoa é que "será amaldiçoada"! Rapidamente receberá títulos depreciativos tais como "fraca na fé", "rebelde", etc., com grande chance de ser expulsa caso não deixe seu grande "erro" contrário à Bíblia!

"Qualquer um que promove suas idéias pessoais e põe o conselho do ‘escravo fiel’ de Cristo em luz desfavorável, não está se apegando ao cabeça." — A Sentinela de 15 de julho de 1985, página 14, parágrafo 17.

"Se objetarmos a algo feito pelo corpo de anciãos ou criticarmos o modo como certo assunto é tratado, somos desleais à organização de Jeová." — A Sentinela de 1º de janeiro de 1975, página 29, parágrafo 27.

"Se o reconhecermos [a Jeová] plenamente como Grandioso Instrutor, não poremos em dúvida nem criticaremos os métodos de instrução que a classe do “escravo fiel e discreto” de Jeová usa atualmente. — A Sentinela de 1º de janeiro de 1986, página 30.

"... Se tivermos amor a Jeová, e à organização de seu povo, não teremos suspeitas, mas, como diz a Bíblia, 'creremos em tôdas as coisas', tôdas as coisas que A Sentinela esclarece, uma vez que tem sido fiel em nos dar conhecimento dos propósitos de Deus e em nos guiar no caminho da paz, da segurança e da verdade, desde seu início até o dia atual." — Livro Qualificados Para Ser Ministros, página 144, edição brasileira, publicado em 1959.

Quão diferente é isso do espírito apostólico que vimos acima em 1 João 4:1 e Gálatas 1:8! Em resumo, a ideia desesperada que a Associação persistentemente incute à seus adeptos é bem ilustrada na Sentinela de 1º de dezembro de 1984, página 12:

"Certo marido cristão disse: "A organização visível de Jeová é uma fonte extraordinariamente confiável. Nunca me desorientou, no que quer que fosse. Tudo o que tem dito se tem baseado na Palavra de Deus e tem sido o melhor para mim, para minha família e para todos os meus conhecidos. No meu entender, isso edifica uma fé extraordinária."

Note que o desconhecido "marido cristão" não acredita simplesmente que a "organização visível de Jeová" seja "confiável". Não! Isso é pouco! Ele concede a esta organização um confiança "extraordinária"! (Veja Eclesiastes 8:9.) Se você é TJ, por favor, seja sincero: Acha que os homens imperfeitos do Corpo Governante publicaram este depoimento visando estimular seus adeptos a uma atitude bereana para com "tudo o que [a organização] tem dito"? Infelizmente, não. Todas as Testemunhas são doutrinadas a pensarem da mesma forma mecânica que o "certo marido cristão".

Expressões em relação à "organização visível de Deus"

que arrepiariam qualquer bereano

"plena confiança" — Anuário 1974, página 61.

"confiança absoluta" — A Sentinela de 15 de agosto de 1998, página 20. 

"completa confiança na organização" — Testemunhas de Jeová Proclamadores do Reino de Deus, página 641.

"confiar plenamente... total confiança" — Organizados Para Fazer a Vontade de Jeová, páginas 20-21.

"plena cooperação" — A Sentinela de 15 de novembro 2005, página 31.

"confiar plenamente no discernimento, entendimento e orientação que o escravo nos proporciona..." — A Sentinela de 15 de fevereiro de 2009, página 24.

O leitor TJ não deseja que sua adoração seja em vão, deseja? Portanto, é importante sim que examine profundamente o que é ensinado pela organização religiosa com que se associa. Neste sentido, note o que o Corpo Governante, num ar de sabedoria, recomenda:

"Uma vez que não queremos que a nossa adoração seja em vão, é importante que cada um de nós examine a sua religião. (...) Precisamos examinar não só o que nós mesmos cremos, mas também o que é ensinado pela organização religiosa com que talvez nos associemos. (...) Se amarmos a verdade, não precisamos temer tal exame." — Fonte: Verdade que Conduz à Vida Eterna, página 13.

Caro leitor TJ, em vez de simplesmente ir às ruas pregar que outros apliquem as admoestações acima, decida no seu coração praticá-las em seu próprio caso. Isso é necessário. Compreenda que somente dessa forma agirá em harmonia com o princípio bíblico estabelecido em Romanos 2:21-22: 

"tu, pois, que ensinas outro, não te ensinas a ti mesmo? Tu, que pregas: "Não furtes", furtas? Tu, que dizes: "Não cometas adultério", cometes adultério? Tu, que expressas [a tua] abominação dos ídolos, roubas templos?"

Aplique em sua vida o conselho da Despertai! de 8 de janeiro de 1989, páginas 6-7:

"É vital obter conhecimento sobre o passado da religião porque, basicamente, só existem dois tipos de religião — um aceitável ao Criador da humanidade e o outro claramente inaceitável a ele. (...) Ao examinarmos o passado da religião, façamos isso com mente aberta, e, o que é ainda mais importante, com coração receptivo. Sempre que determinada religião estiver sob escrutínio, pausemos o suficiente para perguntar a nós mesmos se seus ensinos são compreensíveis, claros e lógicos. E que dizer de suas consecuções?"

A liderança das TJs sabe que:

"Muitos dos que ingressaram no serviço de Jeová em anos recentes, embora apreciem profundamente a verdade, não leram muito sobre o próprio desenvolvimento da hodierna organização das testemunhas de Jeová." — Fonte: Ministério do Reino de janeiro de 1975, página 1.

Sendo assim, convido-o a realizar sondagens cuidadosas para verificar se é bíblico "tudo" o que [a organização] tem publicado ao longo dos anos como "alimento espiritual". E verificar também, como afirmado na Sentinela de 15 de fevereiro de 2009, página 24, se, de fato, "a classe-escravo estabeleceu bons antecedentes...", e se "seus membros permanecem virgem em sentido espiritual por não se aviltarem com as crenças e práticas de 'Babilônia, a Grande'"... e, finalmente, averiguar se "não se 'acha na sua boca' nenhuma falsidade doutrinal e [se] eles permanecem sem 'mácula' do mundo de Satanás...".

Durante sua pesquisa, lembre-se sempre: Obter as bênçãos da Associação "depende de estar 100 por cento certo" [Despertai! de 8 de setembro de 1987, página 11.] de que o alimento espiritual provido por ela sempre é benéfico e verdadeiro.

“A associação aprovada com as Testemunhas de Jeová requer a aceitação de toda a série dos verdadeiros ensinos da Bíblia, inclusive as crenças bíblicas singulares das Testemunhas de Jeová”. [realce acrescentado] — A Sentinela de 1º de abril de 1986, página 31.

Não basta crer fielmente nos legítimos ensinos da Bíblia para obter "associação aprovada com as Testemunhas de Jeová". Isso é insuficiente. Algo mais está envolvido. Repare: Se você DISCORDAR 0,1% das "crenças bíblicas singulares das Testemunhas de Jeová" estará em desarmonia com o requisito exigido para "a associação aprovada com as Testemunhas de Jeová". Neste caso, se quiser manter-se como aprovada, a única alternativa é ir contra sua própria consciência, e, usando como que uma máscara, apoiar e ensinar no serviço de pregação aquilo que acredita estar errado. Caso contrário, será expulso, desassociado. — 1 Timóteo 4:2.

Reação automática das TJs quando ex-membros vem lhes falar.

Aquele que ama a verdade NÃO terá medo de examinar o "próprio desenvolvimento da hodierna organização das testemunhas de Jeová". Decerto, durante todos os anos de sua vida, nunca esqueça a verdade expressa por Jesus em João 3:20, 21:

"Pois quem pratica coisas ruins odeia a luz e não se chega à luz, a fim de que as suas obras não sejam repreendidas. Mas, quem faz o que é verdadeiro se chega à luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas como tendo sido feitas em harmonia com Deus."

 

 facebok

GRUPO INDICETJ EX-TJ

Participe também!

 

 

AQUI! ÍNDICE de ARTIGOS de A a Z

 

 

 

indicetj@yahoo.com.br