Por Carlos M. Silva, 18/10/03

Autoriza a Bíblia a Excomunhão Praticada Pelas Testemunhas de Jeová?

PARTE 2

 
 
 

Uma análise contextual - Parte 2

 

O versículo da Bíblia usado pela Sociedade Torre de Vigia dos EUA (órgão dirigente das Testemunhas de Jeová) para justificar seu tipo de excomunhão é 1 Coríntios 5:13 que diz: “Removei o homem iníquo de entre vós”. O que diz o contexto desse versículo? O que uma análise lexical revela sobre ele? Os primeiros cristãos encaravam-no em qual perspectiva? Observe um pouco do contexto da primeira carta aos Coríntios:

“[Somos] subordinados de Cristo e mordomos dos segredos sagrados de Deus.... o que se procura nos mordomos é que o homem seja achado fiel..... para mim é um assunto muito trivial o de eu ser examinado por vós ou por um tribunal humano.... pois não estou cônscio de nada contra mim mesmo.... quem me examina é Jeová. Por isso, não julgueis nada antes do tempo devido, até que venha o Senhor, que tanto trará da escuridão para a luz as coisas secretas.... e então cada um terá o seu louvor da parte de Deus..... aprendais a regra: ‘NÃO VADES além das coisas que estão escritas’..... [suplico-vos] que vos torneis meus imitadores..... Relata-se entre vós.... fornicação tal como nem há entre as nações, que certo homem tenha por esposa a de seu pai..... nem ao menos pranteastes, a fim de que o homem que cometeu esta ação fosse tirado do vosso meio?.... não sabeis que um pouco de fermento leveda a massa toda? Retirai o velho fermento, para que sejais massa nova.... Cristo, a nossa páscoa, já tem sido sacrificado.... guardemos a festividade, [não com] o fermento de maldade e iniqüidade, mas com os pães não fermentados da sinceridade e da verdade..... cesseis de ter convivência com qualquer que se chame irmão, que for fornicador.... , ou idólatra, .... , ou beberrão...., nem sequer comendo com tal homem..... ‘Removei o homem iníquo de entre vós.’” – 1 Coríntios 4:1-21; 5:1-13.

O contexto que culmina na frase “removei o homem iníquo de entre vós” é bastante esclarecedor. Qual tipo de pessoas Paulo disse que a congregação deveria excluir? Ele começa falando de um homem da congregação que estava tendo relações com a esposa do seu pai (incesto?), sem que nenhuma providência tenha sido tomada. O ponto de partida de Paulo é justamente esse fornicador. Paulo estava se referindo à pessoas com alto grau de depravação moral e espiritual, que não seguem os princípios de conduta do Cristianismo. Praticamente todos os comentaristas bíblicos têm esse entendimento. Observe dois exemplos:

“Em segundo lugar o Apóstolo recomenda que esse tipo de pessoa não participe das ações litúrgicas, pois a vida deles nada tem que ver com a comunidade (vers. 11b). Afastados, talvez possam rever a própria vida e ter assim oportunidade de converter-se. A comunidade deve evitá-los, se eles são empedernidos no mal, mas deixar o julgamento para Deus.” – Primeira Carta aos Coríntios, Explicação e Atualização, Mauro Strabeli.

[Em 1 Coríntios 5:12, observa-se que] os coríntios não mais se consideravam sujeitos às regras ordinárias de moralidade.” – Ética do Novo Testamento, os Legados de Jesus e Paulo, Frank J. Matera.

Portanto, aplicar esse versículo a uma infinidade de situações, como faz a Torre de Vigia, é uma clara desconsideração das palavras prévias de Paulo: “Não vades além do que está escrito.” (4:6) O texto se refere à pessoas iníquas mesmo, entregues aos pecados mais repugnantes. Por isso tinham que ser excomungadas. Mas os aplicadores da disciplina não podiam afirmar que essa pessoa estava morta para Deus, e sem perspectiva de vida eterna, pois Paulo disse: “Não julgueis nada antes do tempo devido, até que venha o Senhor, que tanto trará da escuridão para a luz as coisas secretas, como tornará manifestos os conselhos dos corações.” (4:5)

Não comer com a pessoa excluída talvez seja uma referência à Refeição Noturna do Senhor (última ceia), pois, no contexto, Paulo disse: “Retirai o velho fermento.... Cristo, a nossa páscoa, já tem sido sacrificado.... guardemos a festividade, não.... com o fermento de maldade e iniqüidade, mas com os pães não fermentados da sinceridade..... cesseis de ter convivência com qualquer que se chame irmão, que for fornicador.... nem sequer comendo com tal homem.....  ‘removei o homem iníquo de entre vós’.” (5:7-13) É a visão desse contexto que gerou o termo “excomunhão”, que significa ficar fora da comunhão cristã, por ocasião da celebração da Refeição Noturna do Senhor. (Um manuscrito cristão do início do século II, chamado Didaqué, sugere que a não participação na Refeição Noturna era realmente uma ação disciplinar – uma excomunhão).

Claramente, as palavras de Paulo, em Coríntios, não dão margem para o procedimento adotado entre as Testemunhas de Jeová de não cumprimentar o excomungado, e não falar com ele. De onde, então, surgiu tal entendimento? O próximo artigo considerará esse pormenor.

Veja a parte 3