Testemunhas de Jeová Enfrentam Crise de Credibilidade nos Estados Unidos

No rastro das recentes acusações de pedofilia e estupro nas congregações dos Estados Unidos, as Testemunhas de Jeová enfrentam uma onda de exposição nos meios de comunicação americanos que tem resultado em grande perda de credibilidade para essa religião.

Primeiro foi o programa Testemunhas de Acusação (original Witness for the Prosecution) exibido pela emissora americana NBC através do programa NBC Dateline em 28 de Maio de 2002, que tem formato muito semelhante ao do Globo Repórter da TV Globo aqui do Brasil.

Agora, a conceituada revista americana Newsweek, edição de 24 de Junho de 2002, publicou uma matéria que apenas acrescenta ao embarasso que as Testemunhas de Jeová vem enfrentando naquele país. A revista publicou uma matéria de duas páginas sobre o escândalo sexual na Igreja Católica envolvendo pedofilia (abuso sexual de menores), e na segunda página publicou um box específico sobre as Testemunhas de Jeová. Toda essa eclosão de casos entre as Testemunhas, muitos avaliam, não é devido à maior incidência deles nos últimos anos mas ao maior acesso e troca de informações entre as pessoas. Um ancião das Testemunhas de Jeová revoltado com o sofrimento e tratamento dado às vítimas de abuso sexual e aos pais delas, fundou uma organização chamada SilentLambs (www.silentlambs.org) – Cordeiros Silenciosos. Os anciãos da religião, que são orientados pela Torre de Vigia, de onde emana todas as diretivas, são ditos para tratar desses casos criminais internamente ao invés de relatar à polícia, de modo a não manchar a imagem da religião perante os membros e público externo. Foi exatamente isso que levou William Bowen (Bill Bowen), um ancião do estado do Kentucky, ao deparar-se com um caso encoberto pela congregação dele, a fundar a SilentLambs.

A seguir, veja a tradução da matéria publicada pela revista Newsweek. A matéria tem o título Witness to Shame e encontra-se na página 81 da revista.


 

Testemunha da Vergonha

(por Julie Scelfo)



Uma outra religião enfrenta seu próprio escândalo.

Ao passo que os bispos Católicos Romanos declararam um mea culpa na semana passada, as Testemunhas de Jeová, um fechado grupo de 980.000 pessoas, passou a ficar mais próximo de enfrentar seu particular escândalo de abuso sexual. Em Janeiro, uma mulher de Sacramento, Califórnia, entrou com processo afirmando que líderes da igreja deliberadamente deixaram de notificar autoridades civis de que ela foi estuprada por um membro da congregação dela. Um anterior líder da igreja em Maryland foi indiciado em corte em Fevereiro por violentar três mulheres que disseram ter sido ordenadas pelos anciãos a não relatar o caso, e foram excomungadas quando o fizeram. Depois que casos adicionais foram exibidos recentemente na TV, um grupo de apoio às vítimas dirigido por William H. Bowen foi inundado por e-mails e telefonemas. "Católicos protegem apenas os sacerdotes. As Testemunhas de Jeová o fazem para qualquer membro da igreja", diz Bowen, um ex-ancião do Kentucky. Sara Poisson diz que antes do marido dela abusar sexualmente das filhas dela, anciãos da igreja disseram a ela "ore mais e seja uma melhor esposa". O porta-voz da igreja J. R. Brown diz que a religião instrui os anciãos locais a notificar a polícia quando exigido por lei. Além disso, eles conduzem sua própria investigação: "Isto consiste de ir diretamente ao acusado". Se ele confessar, segundo Brown, será proibido de ir de porta-em-porta – a menos que esteja acompanhado por uma outra Testemunha. Brown diz que as pessoas que acusam a igreja são frequentemente Testemunhas inativas, e "presas fáceis" para exploradores. Mas vítimas tais como a filha de Sara Poisson, Heather Berry, 20, dizem que é a igreja que faz a exploração. "Eles estão negligenciando as crianças. Eu não acho que há alguma coisa de Cristão em permitir que o abuso continue".

 

Notas

[1] Clique aqui para ver a transcrição completa do programa (em Inglês).

[2] http://www.silentlambs.org/ tinha recebido 48.000 visitas desde sua criação há cerca de 2 anos. Em menos de 1 mês após 28/05/2002, o número de visitas tinha ultrapassado 112.000.