A cruz e as Testemunhas de Jeová

grego: stauros

 

Embora a Bíblia especificamente não descreva o instrumento sobre o qual Jesus morreu, a tradição tem que ele foi posto para morrer em uma cruz; consistindo em uma estaca e uma trave transversal. O grego stauros às vezes é usado para descrever uma estaca simples, e outras vezes uma forma mais complexa, como a cruz. Para determinar qual o caso de stauros na morte de Jesus, precisamos considerar o que o idioma grego nos diz, o que a história nos conta, e o mais importante, o que a Bíblia nos revela. Além disso, temos que considerar o significado de stauros para o cristão, e se é um assunto de vergonha ou de grande alegria.

 

O GREGO: 

O Novo Dicionário Internacional de Teologia no Novo Testamento diz o seguinte sobre o stauros grego: 

Correspondente do vb. (stauroo) que era mais comum, stauros pode significar uma estaca que às vezes era pontiaguda na qual um criminoso executado era exibido publicamente em vergonha como um castigo adicional. Poderia ser usado para pendurar, empalar ou estrangulação.Stauros também poderia ser um instrumento de tortura, talvez no senso do Latim patibulum, uma trave transversal deitada nos ombros. Finalmente poderia ser um instrumento de execução na forma de uma estaca vertical e uma trave transversal do mesmo comprimento que forma uma cruz no sentido mais estreito do termo. Tomava a forma ou de um T (Lat. crux commissa) ou de um + (crux immissa). (Vol. 1, página 391) 

O palavra grega xylon pode significar "madeira, um pedaço de madeira, ou qualquer coisa feita de madeira", e pode referir-se a uma cruz, como indicado no Dicionário Expositivo de Vine, Vol. 4, pág. 153. 

 

DESCOBERTAS HISTÓRICAS: 

Descobertas históricas substanciaram a cruz tradicional. Um achado é um graffito1 que data para logo após o ano de 200 D.C., tomado das paredes de um Palatino Romano. É um desenho de um asno crucificado; um escárnio de um prisioneiro seguidor de Cristo. Os romanos indubitavelmente se divertiam que os cristãos veneravam este Jesus à quem eles tinham pregado em uma cruz. 

Em Junho de 1968, escavadoras trabalhando ao norte de Jerusalém acidentalmente encontraram tumbas nuas que datam do primeiro século A.C. e do primeiro século D.C. O arqueólogo grego Vasilius Tzaferis foi instruído pelo Departamento Israelita de Antiguidades para escavar estas tumbas cuidadosamente. Subsequentemente um dos achados mais excitantes dos tempos recentes foi revelado - os primeiros restos do esqueleto de um homem crucificado. O fator mais significante é sua datação por volta do tempo de Cristo. O esqueleto era de um homem chamado Yehohanan, filho de Chaggol, que tinha sido crucificado entre a idade de 24 e 28 anos. O Sr.Tzaferis escreveu um artigo em Jan/Fev. de 1985 na revista secular Revisão da Arqueologia Bíblica (BAR), e aqui estão alguns de seus comentários relativo a crucificação no tempo de Jesus: 

Ao término do primeiro século A.C., os romanos adotaram a crucificação como um castigo oficial para não-romanos, para certas transgressões limitadas. Inicialmente, não foi empregado como um método de execução, mas só como um castigo. Além disso, só escravos condenados por certos crimes foram castigados através da crucificação. Durante este período, uma viga de madeira, conhecida como furca ou patibulum era colocada no pescoço do escravo e amarrada à seus braços. 

... Quando a procissão chegava ao local de execução, uma estaca vertical era fixada no chão. Às vezes a vítima só era atada à cruz com cordas. Em tal caso, o patibulum ou trave transversal para a qual os braços da vítima já estavam encadernados, simplesmente era fixado à viga vertical; os pés da vítima eram então ligados à estaca com algumas voltas de corda. 

Se a vítima fosse fixada através de cravos, ele era colocado no chão, com seus ombros na trave transversal. Os braços dele eram abertos e pregados nas duas extremidades da trave transversal, que era então erguida e fixada em cima da viga vertical. Os pés da vítima eram então pregados contra esta estaca vertical. 

Para prolongar a agonia, executores romanos inventaram dois instrumentos que mantinham a vítima viva na cruz por períodos estendidos de tempo. Um, conhecido como sedile, era um assento pequeno preso à frente da cruz, meio caminho abaixo. Este dispositivo provia um pouco de apoio para o corpo da vítima e pode explicar a frase usada pelos romanos, "sentar na cruz". Tanto Irineu e Justino Mártir descrevem a cruz de Jesus como tendo cinco extremidades em lugar de quatro; o quinto provavelmente era o sedile. (pág. 48,49) 

Em um artigo seguinte deste achado arqueológico no BAR de Nov/Dec., esta declaração foi feita: 

De acordo com fontes literárias Romanas, esses condenados à crucificação nunca levavam a cruz completa, apesar da convicção comum para o contrário e apesar das muitas representações modernas do percurso de Jesus para o Gólgota. Ao invés, apenas a trave transversal era levada, enquanto a vertical estava fixa em um lugar permanente, onde era usada para execuções subsequentes. Como observado pelo historiador judeu Josefo, do primeiro século, a madeira estava tão escassa em Jerusalém durante o primeiro século D.C. que os romanos foram forçados a viajar dez milhas de Jerusalém para conseguir madeira para sua maquinaria de sitio. (pág. 21) 

Semelhante são os detalhes mencionados sob "Cruz" no Novo Dicionário Internacional de Teologia no Novo Testamento: 

Só é certo que apenas os Romanos praticavam esta forma de execução. Mas é provável que o stauros tinha um transversal na forma de uma cruz. Fontes seculares não permitem nenhuma conclusão sobre a forma precisa da cruz, sobre se era a cruz immissa (+) ou a commissa (T). Como não era mesmo comum anexar um titulo, não segue necessariamente que a cruz teve a forma de immissa. 

Havia duas maneiras possíveis de erguer o "stauros". O homem condenado poderia ser fixado à cruz deitado no chão no lugar da execução, e assim então erguido para cima na cruz. Alternativamente, era provavelmente habitual ter a estaca fixada no chão antes da execução. A vítima era amarrada à sanefa, e então içado para cima com a viga horizontal, que era então presa à estaca vertical. Como esta era a forma mais simples de ereção, e o condução da trave transversal (patibulum) estava provavelmente conectado com o castigo para escravos, a cruz commissa pode ter sido carregada como prática normal. A cruz provavelmente não teria sido muito mais alta que a altura de um homem. (Vol. 1, pág. 392) 

 

OUTRAS DESCOBERTAS ARQUEOLÓGICAS

À parte das mais recentes descobertas, há algumas outras de interesse que nós mencionaremos. Esta aqui envolve uma descoberta em 1873: 

Em 1873 um famoso estudante francês, Charles Clermant-Ganneau, informou a descoberta de uma câmara mortuária ou caverna, no Monte das Olivas. Dentro havia umas 30 ossadas (em caixas retangulares feitas de pedra) nas quais foram preservados restos de esqueletos depois que os corpos foram desintegrados. . . . Uma (ossada) tinha o nome "Judah" associado com uma cruz nos braços de igual comprimento. Mais adiante, o nome "Jesus" ocorreu três vezes, duas vezes em associação com uma cruz. . . . 

Seria improvável que os judeus Cristianizados tivessem sido enterrados naquela área após 135 D.C., já que os romanos proibiram os judeus que entrassem na Aelia Capitolina. . . após à segunda revolta judia. (from Ancient Times, Vol. 3, No. 1, Julho 1958, p. 3.) 

Em 1939 escavações em Herculaneum, a cidade irmã de Pompéia (destruída em 78 D.C. por vulcão) preservou uma casa onde uma cruz de madeira tinha sido pregada à parede de um quarto. De acordo com The Buried History, (Vol. 10, No. 1, Março de 1974 pág. 15): 

Debaixo dela (cruz) havia um tipo de altar. Este foi considerado como sendo na forma de uma ara ou santuário, mas bem poderia ter sido usado como um local de oração. . . . Se esta interpretação estiver correta, e os escavadores são fortemente a favor da significação cristã nos símbolos e mobílias, então temos aqui o exemplo de uma igreja primitiva. 

Em 1945 uma tumba familiar foi descoberta em Jerusalém pelo Prof. E.L. Sukenik do Museu de Antiguidades Judaicas da Universidade Hebraica. O Prof. Sukenik é a maior autoridade mundial em ossadas Judaicas. Note seus achados: 

Duas das ossadas continham o nome "Jesus" em grego. . . . A segunda destas também tem quatro grandes cruzes desenhadas. . . . (Prof. Sukenik) concluiu que as inscrições e as cruzes estavam relacionadas, enquanto sendo expressões de aflição à crucificação de Jesus, sendo escritas sobre aquele tempo. . . . o Professor Sukenik mostra. . . (que) a cruz pode representar uma expressão pictórica" da crucificação, equivalente a exclamação "Ele foi crucificado!." Como a tumba é datada por cerâmica, abajures e o caráter das letras usadas nas inscrições do primeiro século A.C. para não mais que meados do primeiro século D.C., isto significa que as inscrições caem dentro de duas décadas da crucificação ao mais recente. (Ancient Times, Vol. 3, No. 1, July 1958, p. 35. See also Vol. 5, No. 3, March 1961, p. 13.) 3, March 1961, p. 13.) 

 

TESTEMUNHO BÍBLICO SOBRE A CRUZ 

Pode não ser conclusivo, mas pode-se notar na série de eventos como registrado em Mateus 27:26, 31-37, Marcos 15:14-26, Lucas 23:26-38, e João 19:1-22 (relativo à morte de Jesus) e a harmonia desses com o método de crucificação como descrito pelos artigos na BAR e outras fontes. Parece que Jesus levou a trave, ou patibulum para o Golgota. Lá, o patibulum foi fixado a uma estaca vertical, enquanto tendo um assento ou talvez um apoio, e Jesus foi pregado sobre a estrutura inteira. Sobre ele foi colocado o título, JESUS O NAZARENO, O REI DOS JUDEUS. 

 

UM SÍMBOLO DE VITÓRIA

Enquanto os judeus possam ter considerado a cruz uma coisa vergonhosa, o apóstolo Paulo jactou da cruz de Cristo. Em Gálatas 6:14 ele diz: 

Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo. 

A palavra grega traduzida como "gloriar" é kauchomai que significa ostentar ou se gloriar por algo. Paulo se gloriava claramente no símbolo da cruz; era um sinal de vitória, não derrota. Em 1 Cor. 1:17,18 ele nos diz que Cristo lhe enviou para pregar a mensagem da cruz, e que as pessoas estariam de pé ou cairiam de acordo com suas respostas para tal mensagem simples! Ele prossegue dizendo que alguns (como os judeus e as TJs) tropeçariam pela cruz (devido a significação vergonhosa nas mentes deles), enquanto outros considerariam isto tolice (versos 21-23). Mas para os cristãos a cruz significa o poder e a sabedoria de Deus! Ele diz que é por isso que Deus escolheu deliberadamente as coisas fracas, tolas e menosprezadas no mundo para revelar sua sabedoria, de forma que suas crianças pudessem se gloriar no que outros consideram menosprezo! 

Paulo fala para os Coríntios que ele decidiu usar a mensagem da cruz de Cristo como sua ênfase principal. (1 Cor. 2:2); até mesmo a ponto de evitar argumentos mais escolásticos ou sábios aos olhos do mundo. Porque? Por causa da habilidade de Deus para lançar fora esses com motivos errados usando uma mensagem humilde como seu cartão de chamada! Ele não quer atrair pessoas ao Cristianismo lhes dando material ou esperanças intelectuais, mas ele deseja alcançar esses que percebem o grau de pecado no mundo e que apreciam Jesus ter morrido por seus pecados. 

Esta foi a mensagem da igreja ao longo dos séculos--que Jesus morreu na cruz por nossos pecados, e que ele está vivo e vive por nós (1 Cor. 15:13; Lucas 24:45-47). Esta mensagem só atrai a certas pessoas; frequentemente os humildes e simples (1 Cor. 1:26-29). 

Paulo também usa a cruz como um símbolo para a causa do Cristianismo, como também a morte da velha natureza. Ele fala da cruz em vários contextos. Ele nos fala que alguns se tornaram os "inimigos da cruz" (Fil. 3:18). Ele fala sobre a velha natureza e a Lei como sendo pregados na cruz" (Col. 2:14). Ele se apega ao tema de Jesus relativo à cruz ( Mat. 10:38; 16:24; Lucas 9:23; 14:27) e discursos sobre "crucificar a velha natureza" (Gal. 2:20; 5:24). Vez após vez, Paulo considera a cruz um sinal de vitória, não derrota! Ele ostentou na cruz! 

Cristãos não têm medo da cruz nem irão adora-la. Melhor, reconhecem que é o símbolo do maior ato de amor! 

 

REFUTANDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ

Enquanto a igreja Cristã nunca considerou o método exato da crucificação ou empalação de Jesus como uma preocupação principal, a Torre de Vigia certamente fez um alarde nesse assunto. Fazendo assim, eles retém o padrão de alardear em assuntos secundários; distraindo frequentemente seus seguidores de assuntos mais importantes. 

A Torre de Vigia considera as igrejas como "sujas" por usar a cruz como símbolo da morte de Jesus. Enquanto seja acordo que a adoração da cruz ou qualquer outro símbolo esteja errado, o uso de um símbolo para propósitos ilustrativos nunca esteve errado, tanto no NT ou registros do VT. Por exemplo, querubins (anjos) foram representados nas cortinas do tabernáculo no tempo de Moisés (Ex. 26:1). A Watchtower usa até mesmo uma torre como seu próprio símbolo especial. 

Até os anos 30 a Torre de Vigia retratou a Cristo como morrendo na cruz tradicional. Porém, enquanto eliminando depois a cruz como também o nome de Jesus da capa, eles continuaram usando uma torre de vigia como seu símbolo. No livro Inimigos, o presidente J.F. Rutherford atacou a história tradicional da cruz como errada porque "A cruz foi adorada pelos Celtas Pagãos antes do [nascimento] e morte de Cristo." (páginas 188-189). Sem acompanhar a evidência histórica ou arqueológica, Rutherford declarou sua nova doutrina como fato. Na verdade, o que pagãos fizeram com cruzes antes da morte de Cristo não tem nada que ver com o modo que os Romanos crucificaram as pessoas. Ademais, Jesus não escolheu o instrumento de sua morte. 
 

As atuais objeções da Torre de Vigias para a cruz são: 
 

1 - O "STAUROS" GREGO NÃO RECORRE A UMA CRUZ

2 - A CRUZ FOI POSTERIORMENTE UM SÍMBOLO PAGÃO ADOTADO PELAS IGREJAS

3 - A ARQUEOLOGIA MOSTRA QUE JESUS MORREU EM UMA ESTACA, NÃO UMA CRUZ

4 - A BÍBLIA NÃO DIZ QUE JESUS MORREU EM UMA CRUZ.

5 - A ESTACA (CRUZ) ERA VERGONHOSA E NÃO DEVERIA SER OBJETO DE ATENÇÃO. 

 

Consideremos a resposta para cada uma destas objeções: 

 

1 - O "STAUROS" GREGO NÃO RECORRE A UMA CRUZ

Com o passar dos anos "provas" foram providas pela Torre de Vigia para substanciar sua posição sobre a cruz. Em 1950 com a liberação da Tradução do Novo Mundo, o apêndice (páginas 768-771) primeiro discute que a formula grega de stauros (Mat. 10:38) e xylon (Atos 5:30) não significa uma cruz, e declarou que estas palavras apenas significam uma estaca vertical sem uma trave transversal, e que não há nenhuma prova para o contrário. 

O stauros grego tem o significado primário de um poste ou estaca, como aponta a Torre de Vigia. O que eles não mencionam é que a palavra recorre frequentemente à construções mais complexas, como a cruz. O palavra latina normalmente traduzida por "cruz", também foi usada às vezes para recorrer a uma mera estaca. O que a Torre de Vigia especificamente ignora é que os Romanos executaram DE FATO seus prisioneiros em cruzes, um assunto que eles têm cuidado em evitar em sua apresentação. A trave horizontal de tais cruzes eram chamadas de patibulum, e os escravos a serem executados eram costumeiramente obrigados a levar o patibulum para o local de execução. (Seneca, De Vita Beata 19:3; Epistola 101:12; Tacitus, Historiae, IV, 3) 2 

Léxicos autorizados dão a definição de stauros como uma "estaca afundada na terra em posição vertical; uma sanefa era frequentemente presa na parte superior". 3 

Xylon, como stauros, também pode ser usado para recorrer a uma cruz, um fato cuidadosamente escondido pela Torre de Vigia em seu esforço para provar seu ponto de vista. Eles então falham em provar qualquer coisa com respeito a stauros e xylon. Então nós temos que olhar para o registro histórico como prova mais decisiva do método de crucificação. 

 

2 - A CRUZ FOI POSTERIORMENTE UM SÍMBOLO PAGÃO ADOTADO PELAS IGREJAS 

Qualquer uso da cruz que existiu antes ou depois do tempo de Cristo é irrelevante ao assunto. Adicionalmente, não há nenhuma evidência conclusiva que os judeus do 1º século ou cristãos encararam a cruz como um símbolo de falsa adoração. Era usada como um meio para um fim--o castigo ou morte de um criminoso. Símbolos significam coisas diferentes em épocas diferentes. Além disso, Jesus não escolheu o instrumento de sua morte. 

Enquanto a igreja católica possa ter depois capitalizado com a imagem da cruz, e algumas pessoas hoje a consideram como um ídolo, isso não afeta o uso anterior bíblico da cruz como um símbolo do evangelho (veja a quarta objeção). Evidências revelam que já no primeiro século havia cristãos que usaram a cruz como um símbolo do cristianismo. Os romanos até mesmo os escarneciam descrevendo a Jesus como um asno em uma cruz (veja o apêndice para ilustração). Aparentemente a cruz não lembrava aos cristãos do primeiro século de significados pagãos anteriores, mas representava a Cristo e a mensagem dele até onde os crentes e até mesmo os não-crentes estavam preocupados. Hoje é muito parecido. Pessoas normalmente consideram a cruz um sinal do cristianismo. 

 

3 - A ARQUEOLOGIA MOSTRA QUE JESUS MORREU EM UMA ESTACA, NÃO UMA CRUZ 

Nas edições de 1950 e 1969 da Tradução do Novo Mundo (em seu apêndice), a Torre de Vigia reproduz uma das dezesseis ilustrações de xilogravuras pelo escritor do 16º século Justus Lipsius, autor de um trabalho chamado De Cruce Liber Primus. Eles reproduzem o quadro dele de um homem empalado em uma estaca vertical, enquanto não mencionando que Lipsius produziu quinze outras ilustrações (a maioria de quadros com várias execuções em cruzes). A Torre de Vigia faz a declaração: "Esta é a forma na qual Jesus foi empalado." Eles recorrem então a um artigo na Revisão Eclesiástica Católica de 1920 que afirma que a cruz não era usada senão após 312 D.C. como símbolo da crucificação. 4 

A edição da TNM de 1950 (Apêndice, p.770) afirma: "Em lugar de considerar a estaca de tortura na qual Jesus foi empalado como uma relíquia para ser venerada, os cristãos judeus como Simão Pedro consideravam como uma coisa abominável." Eles então citam a referência de Paulo à Deut. 21:22,23 e Gálatas 3:13 para provar que a cruz era uma abominação. Eles prosseguem, "Consequentemente os cristãos judeus considerariam como amaldiçoada e odiosa a estaca na qual Jesus foi executado." A TNM faz sua observação final declarando:

Então, está faltando completamente evidências que Jesus Cristo foi crucificado em dois pedaços de madeira colocados a um certo ângulo. Nos recusamos a acrescentar qualquer coisa à Palavra escrita de Deus inserindo a cruz pagã nos livros inspirados, mas traduzimos stauros e xylon de acordo com seus significados mais simples. . . . O transcurso do tempo e futuras descobertas arqueológicas irão provar sua justeza. Mesmo agora o fardo pertence a todos que se apegam na tradição religiosa para provar que Jesus morreu em algo mais que uma simples estaca. (p.771)

O apêndice da Tradução Interlinear do Reino contem muito da mesma informação, como também a TNM com referencias de 1984 e a revisão da Kingdom Interlinear de 1985. A edição de 1985 adiciona comentários do Dicionário Expositivo de Vine do Novo Testamento que apoia a visão que os pagãos antes do tempo de Cristo usaram o símbolo T que representa o deus babilônico Tamuz, e que esta prática influenciou a igreja católica aparentemente no assunto da adoração da cruz. Vine reivindica que o sistema eclesiástico católico adaptou o símbolo da cruz como uma herança do paganismo. 

O mais surpreendente de tudo é que a Torre de Vigia pôde fazer uma declaração como "está faltando evidência" que Jesus foi executado em uma cruz, quando o MESMO LIVRO que eles usam como "prova" para apoiar suas reivindicações DIZ que JESUS MORREU EM UMA CRUZ! Uma das xilogravuras de Lipsius não mencionada pela Torre de Vigia, mostra uma execução em uma cruz. Uma tradução parcial do texto latino ao lado desta xilogravura diz: 

Na cruz do Senhor havia quatro pedaços de madeira, a viga vertical, a linha transversal, um tronco de árvore (pedaço de madeira) colocado abaixo, e o título (inscrição) colocado acima. 

As anteriores edições da TNM (1950 e 1969) , depois de recorrer ao quadro de Lipsius de um homem em uma estaca vertical declarou, "Esta é a maneira na qual Jesus foi empalado." Eles tentaram carregar a ideia que o livro de Lipsius estava provando o ponto de vista deles. Desde então a exposição da desonestidade deles os induziram a omitir esta declaração da versão da TNM de 1984 e 1985; mas eles AINDA usam a ilustração de Lipsius para fazer a observação deles, enquanto não contando a real história! Eles estão evitando a verdade intencionalmente. 

Além disso, a referência deles para a Revisão Eclesiástica Católica (1920) está antiquada, já que achados arqueológicos posteriores indicam o caso contrário, como mencionado na Revisão da Arqueologia Bíblica de Jan/Fev. de 1985.

Isto expõe outro assunto muito embaraçoso para a Torre de Vigia---o dos recentes achados arqueológicos. Nas edições anteriores (1950 e 1969) da TNM, eles tinham dito: "O transcurso do tempo e mais as futuras descobertas arqueológicas irão provar sua justeza. . . . " Por que eles omitiram esta declaração nas versões da TNM de 1984 e 1985? Precisamente por causa das mais recentes descobertas arqueológicas! Ao passo que a Torre de Vigia fez uso de fontes obscuras e bastante antiquadas em uma tentativa para provar seu ponto de vista, o volume dos achados históricos como também as mais recentes escavações revelam como prova significativa para a história da crucificação tradicional, como a muito tempo defendido pelas igrejas. 

 

4 - A BÍBLIA NÃO DIZ QUE JESUS MORREU EM UMA CRUZ 

Há até mesmo maior evidência do que as obras de Lipsius para a história da crucificação tradicional, e esta evidência vem da própria Bíblia. Quando Jesus reapareceu aos discípulos em seu corpo ressuscitado, ele ainda apresentava as marcas deixadas pelos pregos em suas mãos. Os discípulos tiveram medo que esta fosse uma forma de espírito em lugar do Senhor na carne. Lucas 24:37 relata que "eles ficaram apavorados e assustados e pensaram estarem vendo um espírito." Jesus disse: 

Por que estais perturbados? e por que surgem dúvidas em vossos corações? Olhai as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e vede; porque um espírito não tem carne nem ossos, como percebeis que eu tenho. (Lucas 24:38,39) 

A Torre de Vigia, incidentemente, teria que nos fazer acreditar que Jesus FOI um espírito naquele momento e de fato, simplesmente se materializou em um corpo para os confortar. Quanto melhor acreditar na Palavra pelo que diz, que ERA o corpo de Jesus, e as mãos dele ainda tinham as marcas dos cravos. 

Isto expõe a passagem mais conclusiva de todas que revela que Cristo não foi morto como a Torre de Vigia retrata em suas publicações. O apóstolo João nos diz que Tomé, que não estava lá quando Jesus apareceu primeiro ao resto, recusou a acreditar que era de fato Jesus (ele também pensou que deveria ter sido um espírito!). Ele disse aos outros: 

Se eu não vir o sinal dos CRAVOS NAS MÃOS, e não meter a mão no seu lado, de maneira nenhuma crerei. (João 20:25, ênfase acrescentada) 

Note que Tomé sabia que havia mais de um cravo que perfurou as mãos de Jesus. Ainda, a Torre de Vigia sempre retrata Jesus como tendo UM CRAVO para ambas as mãos! Quando Jesus reapareceu por causa de Tomé, ele lhe mostrou suas mãos de forma que Tomé pudesse ver e pudesse acreditar (João 20:26, 27). 

Aparentemente sentindo que eles precisavam responder a este desafio, um artigo na seção "Perguntas dos Leitores" apareceu na Sentinela de de 01 de Abril de 1984 (pág. 31). Eles nublaram o assunto com uma citação parcial da Enciclopédia de Literatura Bíblica, Teológica e Eclesiástica (que não apoia a reivindicação deles) em um esforço para fazer que pareça como um "desperdício de tempo" especular com quantos cravos Jesus foi fixado. (Eles têm razão: Nós não sabemos; mas nós sabemos que haviam pelo menos dois nas mãos dele!) Então eles tentam insinuar que Tomé foi superficial em suas palavras dizendo que embora Tomé só mencione buracos de cravos nas mãos, ele poderia ter recorrido também aos cravos nos pés de Jesus. O artigo conclui com a declaração:

Então, simplesmente não é possível neste momento declarar com certeza quantos cravos foram usados. Qualquer desenho de Jesus na estaca deveria ser entendido como produções de artistas que oferecem uma representação baseado apenas nos fatos limitados que dispomos. Debater sobre tais detalhes insignificantes não deveria ser permitido para obscurecer a verdade toda importante, que é... "nós fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho". Rom. 5:10 

Parece que já que a evidência balançou contra eles, eles estão recorrendo à velha técnica de acusar a oposição daquilo que eles mesmo são culpados. Eles são aqueles que fizeram declarações como " está faltando evidências. . . " que Jesus morreu em uma cruz. 

Como sempre, eles trocam a culpa para se cobrir. Se lembre, eles são aqueles que acusam as pessoas de "falsa adoração" por usar o símbolo da cruz. Até onde os cristãos estão preocupados, o método exato de crucificação não é um grande assunto. Melhor, a ênfase que a Bíblia coloca na cruz é o real assunto! 

 

5 - A ESTACA (CRUZ) ERA VERGONHOSA E NÃO DEVERIA SER OBJETO DE ATENÇÃO 

É verdade que os judeus encaravam a execução pela cruz como um modo amaldiçoado de morrer, que significava vergonha, e nenhuma esperança de ressurreição. Semelhantemente, a Torre de Vigia vê o inteiro conceito de Cristo morrendo em uma estaca em uma luz negativa. Note estas declarações na revista Despertai! de 08 de Novembro de 1972:

Como você sentiria se um de seus mais queridos amigos fosse executado por falsas acusações? Você faria uma réplica do instrumento de execução, seja o machado do carrasco ou uma cadeira elétrica? Você beijaria essa réplica, acenderia velas diante disto ou usaria ao redor de seu pescoço como um ornamento? "Claro que não", você poderia dizer. 

Aos judeus e romanos a maneira como Cristo morreu era vergonhosa e humilhante. Ele foi executado como um criminoso do mais baixo nível, como os malfeitores empalados ao seu lado. (Lucas 23:32) Sua morte o falseou então da pior maneira possível. Para os cristãos o instrumento de execução teria sido então algo muito repulsivo. Venerar isto significaria glorificar a ação errada cometida - o assassinato de Jesus Cristo. (pág. 27) 

A Torre de Vigia está confundindo novamente o assunto classificando esses que "veneram" ou adoram uma cruz com esses que consideram a cruz como um símbolo do Cristianismo. Certamente não há nenhuma justificativa por adorar diante de uma cruz ou beijála; mas HÁ justificativa por considerar a cruz como um símbolo do Cristianismo. 

 

Notas de rodapé:

1 História Arqueológica, Vol. 9, nr. 2, página 41 (Junho de 1973, Inst. Australiano de Arqueologia) 

2 Trimestral Bíblico, Volume 13, Numero 4, página 442. 

3 Léxico Grego-Inglês, Arndt e Gingrich, página 772. 

4 A cruz foi descoberta em escavações de tumbas cristãs muito antes do quarto século. (compare com a Despertai! de 08 de Nov. de 1972, pág. 27) 

 

NOVA EVIDÊNCIA PARA A CRUCIFICAÇÃO DE CRISTO

"Duas Perguntas Sobre Crucificação" compõem o título de um artigo fascinante, que foi assunto da REVISÃO BÍBLICA de Abril de 1989. Debaixo estavam dois subtítulos, a Vítima "Morre por Sufocamento", e Cravos nas Mãos "Segurariam o Peso do Corpo? " 

Nela, o autor desacredita a teoria prévia da crucificação como formulada por A. A. LeBec em 1925 e cuja publicidade foi difundida pelo Dr. Pierre Barbet em 1953, que (1) Jesus morreu por sufocamento devido a ser incapaz de se levantar para respirar, e (2) os cravos em suas mãos estavam de fato nos pulsos (assumindo que as palmas das mãos não poderiam segurar o peso do corpo). Agora parece que a evidência não apoia a teoria de Barbet. 

Pesquisas médicas para este projeto foram efetuadas por Frederick T. Zugibe, que é professor associado no suplemento de patologia da Universidade de Columbia - Faculdade de Médicos e Cirurgiões, como também autor de A Cruz e a Mortalha--Um Médico Pesquisador Investiga a Crucificação. Zugibe demonstra bem conclusivamente que: 

(1) Jesus não morreu por sufocamento, mas por choque e trauma. Adicionalmente, um homem empalado com braços estirados diretamente em cima de sua cabeça (como a Torre de Vigia descreve) sufocaria em minutos, considerando que um homem com mãos estendidas de lado a um ângulo de 60 70 graus (como em uma cruz) poderia viver por horas sem sufocar. 

(2) Há dois locais na PALMA de cada MÃO que permite que um cravo penetre e segure o peso do corpo inteiro até cem libras, tornando a "teoria do pulso" desnecessária para explicar como os braços de Cristo foram presos à cruz.

Anos atrás, LeBec e Barbet tinham concluído que uma pessoa pendurada com os braços para cima, sufocaria em questão de minutos, devido à inabilidade dos pulmões se expandir e contrair em tal posição. Adicionalmente, o radiologista austríaco, Hermann Moedder, fez experiências com estudantes médicos nos anos 40, enquanto os pendurando pelos pulsos com as mãos diretamente sobre suas cabeças (parecido com os quadros da Torre de Vigia com Jesus em uma estaca). Em alguns minutos, os estudantes ficaram pálidos, a capacidade pulmonar deles caiu de 5.2 a 1.5 litros, a pressão sanguínea diminuiu e a taxa de pulso aumentou. Moedder concluiu que a inabilidade para respirar aconteceria em aproximadamente seis minutos se não lhes permitissem ficar de pé e descansar. 

O mesmo se aplicaria a Cristo, SE ele estivesse suspenso em uma estaca como a Torre de Vigia descreve, pendurado com as mãos suspensas diretamente para cima. Ele teria sufocado em questão de minutos. 

Porém, Zugibe descobriu que se os estudantes fossem pendurados através das mãos estendidas para o lado a 60-70 graus, eles não teriam nenhuma dificuldade de respiração por horas a fio. Desde que Lucas 23:44 e Mateus 27:45,46 mostram que Cristo esteve na cruz durante aproximadamente três horas, a evidência aponta novamente para morte em uma cruz tradicional. 

Zugibe levou a cabo suas experiências usando vários voluntários que estavam dispostos à ficar pendurados em uma cruz com diversas variações, nenhuma requerendo a mutilação da carne ou dano corporal. Foram usadas luvas de couro especiais para prender as mãos à trave mestra. Para demonstrar que um cravo pela mão pudesse segurar diversas cem libras, Zugibe, em outra experiência, usou braços cortados de cadáveres frescos, os pregando por qualquer um dos dois locais na palma das mãos (veja a ilustração) e suspendendo o peso dos braços (uma experiência horrível, para dizer o mínimo!). 

Se Jesus não morreu  por sufocamento, então qual foi a causa de sua morte? Revisemos os eventos no dia que Cristo morreu. 

Primeiro, Jesus experimentou perda no volume de sangue pela transpiração e do suar de sangue, devido à sua angústia mental. Depois de estar preso, ele foi açoitado com um chicote de couro que tinha pesos de metal ou fatias de ossos na ponta. Ao passo que as gorjetas penetravam, foram traumatizando sua pele, nervos e músculos. Esgotamento por tremura, severo suor e ataques apoplécticos se seguiriam. Muito fluido corporal teria se perdido. Até mesmo antes de ser pendurado na cruz, Jesus já pode ter entrado em um estado de choque, devido ao açoitamento, a irritação dos nervos do couro cabeludo devido à coroa de espinhos, e sendo golpeado várias vezes. Finalmente, ele foi pregado à cruz por grandes cravos de ferro, dirigidos para ambas as mãos, como também seus pés. O dano para os nervos trouxe incrível dor, somado ao choque e perda de água. Por um período de três horas, todo leve movimento teria trazido dor excruciante. Morte seria o resultado do choque extremo devido a uma combinação de esgotamento, dor e perda de sangue. 

 

A área "Z" e o "Destot's Space" segurarão diversas cem libras quando um cravo é dirigido no local preciso. (Frank Netter, cortesia de CIBA Cia. Farmacêutica)