Conformidade de Grupo? - INDICETJ.COM Escandalo sobre Testemunhas de Jeova

Ex-Testemunha de Jeová
publica mais de 1.000 artigos críticos!
Ir para o conteúdo
1
2
3
4
5
6

CONFORMIDADE DE GRUPO?
Odracir
W., Brasil, 07-07-2000

    Desiludido, em meio a devaneios e com o coração em pedaços por não ter sido correspondido com uma pessoa a quem eu tanto amava...

    Assim era minha situação quando fui “interceptado” por duas pessoas na porta de minha casa que  começaram a  me falar de um futuro promissor para todas as pessoas puras e sinceras de coração. Eu estava inconformado com minha situação sentimental naquela época , e, por isso, aceitei um “estudo” com aquelas pessoas que se identificavam como “Testemunhas de Jeová”.     

    O inicio foi um tanto duro, pois meus pais eram católicos e não aceitavam a idéia de eu mudar de religião. Meu pai fez uma tentativa inicial de me desestimular a continuar aquele estudo, me mostrando um artigo que falava sobre “Russel” em uma revista mensal que ele assinava, denominada “Catolicismo”. As graves acusações feitas naquele artigo, não surgiram muito efeito sobre mim. Porque? Porque eu me recusava a acreditar que aquelas pessoas amigáveis, com um sorriso constante pudessem ser representantes de uma religião enganadora... ainda mais porque estavam constantemente a me confortar com palavras amigáveis acerca dos meus problemas sentimentais.  

    Comecei então a freqüentar o “Salão do Reino”. Nas primeiras vezes que fui, foi demais!!! Todas as pessoas vinham ao meu encontro para me cumprimentar e se apresentarem. Quão satisfeito fiquei! Cheguei a conclusão de que ali as pessoas eram amorosas e atenciosas umas com as outras... 'finalmente havia encontrado minha verdadeira família', pensei...     

    Os estudos comigo continuavam. Eu percebia um ligeiro excesso de atenção por parte dos meus instrutores, pois eles eram pontuais, e não faltavam a um estudo sequer. Estranhei aquela atitude, pois jamais havia encontrado pessoas tão atenciosas em relação a minha pessoa daquela forma. Ah, se eu soubesse desde aquela época que a causa daquela atenção era um tal de “relatório de serviço de campo”...     

    O fato é que eu me senti amado por aquelas pessoas. Meus pais e amigos do mundo já não me criticavam mais frente a frente, mas somente por terceiros. Eu comecei a me sentir afastado tanto de meus amigos como de meus familiares, mas ao mesmo tempo tentava explicar a eles o quão amorosas eram as Testemunhas de Jeová e cheguei até a  pensar que poderia, um dia, levá-los para lá também. O tempo foi passando e, sem que eu percebesse, fui me envolvendo mais e mais com as Testemunhas de Jeová no que se refere ao companheirismo.  

    Certa vez, uma pessoa se aproximou de mim e me mostrou o que estava escrito em João 1:1. Foi a primeira vez que tomei um “pequeno susto” sobre a doutrina em que eu estava. Corri com aquela passagem ao meu instrutor (achando que ele não soubesse). A explicação que me foi dada, todos aqui já conhecem. 'Maravilha!', pensei! 'As TJ são realmente pessoas instruídas e cultas... conhecem até termos em grego e hebraico !!!' Então reforcei mais ainda minha fé naquela organização.  

    O tempo foi passando até que, depois de um ano de estudo, foi me revelado a existência e o real significado do “relatório de serviço de campo”... é claro que eu não iria ficar uma eternidade sem saber!..

    Isso ocorreu em um dia quando eu estava a estudar com meu “amoroso e atencioso” instrutor . Ali, em meio ao estudo, chegou uma outra TJ (que já tinha se tornado um grande amigo meu) em minha casa e fez uma piadinha com meu instrutor. Ele disse : “XXXXX, já chega de 'fazer horas' com o W. !!! Vamos jogar uma bolinha agora!!!”  

    “Fazer o quê???” , indaguei.  

    “Ué, até hoje seu instrutor não lhe disse o que é o relatório de serviço de campo? Ainda mais agora que você está prestes à se tornar um publicador não batizado?”, respondeu meu amigo.  

    Então fiquei ali conversando de 10 ou 15 minutos. Soube então qual era o real significado dos “relatórios". Fiquei com uma “jaca entalada na garganta” ao saber então que desde o início meu instrutor não me amava e se interessava por mim “exatamente da maneira” que eu pensava, mas sim, que havia um outro pequeno interesse por trás de todas aquelas visitas...  

    Senti-me muito mal, mas já havia, com o tempo, aprendido a gostar daquelas pessoas e fiquei sem jeito de sequer dar uma “ralada” em meu instrutor por não ter me dito desde o inicio que ele dava “satisfação” aos outros das horas que estudava comigo. Pela primeira vez havia descoberto algo de “estranho” na organização, pensei. Meio já envolvido com aquela turma, me tornei “publicador não batizado”, onde ao mesmo tempo conheci uma  pessoa que viria a ser minha noiva no futuro. Passei seis meses “anestesiado” com a organização e o serviço de campo. Eu sentia satisfação em bater de porta em porta e “vencer objeções” com os mais incautos. Eu achava que Jeová se orgulhava da minha pessoa como defensor de sua palavra - a verdade. Meus discursos eram excepcionais. Meus irmãos diziam que logo haveria mais um ancião naquela congregação.  

    Até que, num determinado dia, depois de meu batismo, no serviço de campo, comecei a argumentar com um morador sobre a questão do sangue. O homem, nada simplório, não se entregou aos meus argumentos (será que eram meus mesmo?) acerca do sangue. Ao contrário disso, ele sem Bíblia, sem nada, simplesmente com palavras mansas, começou a questionar a posição das TJ em relação ao sangue e o que Deus pensava de tal assunto. Pela primeira vez na minha comecei a desconfiar que poderia haver algo questionável na organização.  

    Naquele final de semana, recolhi-me em meu quarto em intensa oração, pedindo a Jeová que me mostrasse a verdade, ou que me livrasse das influencias de Satanás, se fosse o caso. Comecei a analisar tal doutrina mais a fundo, e cheguei a conclusão de que realmente poderia ter algum "furo", visto que havia a mão de homens no meio. Cheguei então à conclusão que a doutrina da abstinência do sangue, segundo as TJ, estava equivocada. Eu nem pensava em discutir isso com minha noiva pois a mesma, bem como sua família, eram extremamente “teocráticos”. Qualquer assunto fora dos padrões da organização eram considerados 'heresias'. Mas, mesmo assim, não deixei passar a questão do sangue em branco. Continuava estudando.  

    Eu nem sonhava que existiam “apóstatas da verdade” e, portanto, eu não tinha referências, a não ser a própria Bíblia. Então, na minha condição de “apóstata amador”, escrevi uma carta anônima ao Corpo Governante sobre o sangue. Tratava-se de um diálogo fictício entre um servo ministerial e um ancião (veja a reprodução do mesmo em letras azuis no fim desse texto).

    A esta altura, eu já havia notado que meus irmãos não eram tão “cultos” como eu pensava no início, mas que seus argumentos eram repetitivos e mecânicos, baseados nos livros tais como o “Raciocínios”.  

    Eu achava que Jeová havia me escolhido para produzir uma reforma na organização... achava que estava sozinho no mundo. Pensava que os membros do Corpo Governante (CG) não haviam considerado a minha linha de raciocínio a respeito do sangue e que, portanto, poderiam cair em si e anular esse dogma anti-bíblico. Cheguei até mesmo a pensar que eu iria fazer parte dos 144.000 por ter sido um “canal especial” usado por Jeová para corrigir alguns erros de sua organização !!!  

    Mandei várias vezes essa mesma carta e... nada!!!! Ao contrário disso, vinham orientações do CG que eram passadas aos anciãos em discurso no sentido de tomar cuidado com os apóstatas, pois o cerco estava se apertando! Eu fiquei muito triste e me desanimei, pois me sentia “um” contra “milhões”. Depois de ter já marcado a data de meu casamento, continuei em meus estudos usando apenas a Bíblia, pois como disse, não tinha nenhum outro referencial, a não ser ela. Então, descobri outra coisa estranha... tratava-se do retorno de Cristo em 1914, segundo as TJ. Lendo o capitulo 24 de Mateus, notei que Cristo anunciou que haveria guerras, fome, pestilências, falsos Cristos, falsos profetas, terremotos, e DEPOIS; somente ENTÃO é que veríamos Cristo descendo nas nuvens com poder e grande glória. As TJ pregam tal coisa de forma invertida, ou seja, Cristo voltou em 1914 e DEPOIS tais coisas como terremotos e aparecimentos de falsos Cristos começaram a acontecer. 'E agora?', pensei.

    Pela primeira vez em minha vida estava me sentido sozinho, apesar de tantos irmãos à minha volta.  

    No que diz respeito ao serviço de campo, comecei a notar alguns comentários estranhos por parte de meus irmãos. Já não eram mais “Vamos pregar e alertar as pessoas do final dos tempos”, mas sim “minhas horas estão fracas esse mês, preciso te acompanhar em teus estudos”, ou ainda “Vamos trabalhar mais 15 minutos, pois assim completaremos duas horas de registro hoje.” Comecei a me sentir mal com essas coisas. Quando saía no campo, sabia que seria obrigado a defender as doutrinas relativas a 1914 ou a questão do sangue, mesmo sentindo no meu interior que estavam erradas, ou seja, eu seria obrigado a enganar as pessoas.

    Até que, um dia, comecei a acessar a Internet... aí, descobri que não estava mais sozinho e que existiam muitas pessoas que pensavam como eu. Posso dizer que “a gota d’água” foi quando li um artigo na página do “Irmão brasileiro”  dizendo que o CG não tinha Jesus Cristo como mediador legal entre Deus e os homens. Ali ele citou algumas “Sentinelas” como referências. Referências essas  que foram prontamente investigadas e confirmadas por mim em pesquisas.  

    Lembro-me até hoje daquele dia. Meu estômago começou a 'embrulhar ' e eu nem mesmo consegui jantar... sentia uma indescritível vergonha de Jesus, com o qual eu tentava incansavelmente argumentar: “Meu Senhor, eu não sabia que eles ensinavam isso... perdoe-me!”

    Meu instrutor, que era o ancião residente da congregação, também era o pedreiro que estava construindo a minha casa; o meu futuro lar como homem casado. No outro dia (sábado) fui bem cedo até a obra e o chamei para dialogarmos. Ali, expus tudo o que havia descoberto na Net, bem como minha idéias sobre a organização. É claro que eu já esperava que ele não conseguiria refutar aquelas matérias... Primeiro, porque eram verdades, e, segundo, porque não lhe foi ensinado pela organização a se defender de tais matérias.  

    Depois de um extenso  diálogo, meu instrutor deu um profundo suspiro e me disse:

    “W., mesmo que me mostrassem que 80% dos ensinamentos da organização são falsos e apenas 20% são verdadeiros, eu ainda assim continuaria na organização”.  

    O diálogo parou ali e fingi concordar com ele.  

    Uma vez que eu já havia mostrado que tinha entrado em contato com os apóstatas, não seria boa idéia uma discussão. Ao invés disso, disfarcei. Eu disse a ele que iria queimar todo aquele material “apóstata” e que nunca mais tocaria no assunto.

    Mas eu já estava em um grande conflito espiritual. Não sabia com quem conversar, e então decidi trocar umas idéias com outro TJ, amigo mais íntimo meu. Esse amigo me surpreendeu, pois ele concordou em grande parte comigo sobre os erros da organização. Em meio ao nosso diálogo, eu perguntei o que ele achava de pregar aqueles ensinamentos às pessoas de porta em porta mesmo sabendo que estavam errados. Sua resposta:  

    “W., eu transmito às pessoas aquilo que o CG me pede para transmitir.... agora, caberá a cada morador interpretar se aqueles ensinamentos são corretos ou não”.  

    “Sem comentários”, pensei comigo.  

    Nesse momento, parei de dialogar com ele e vim embora para minha casa. Eu já havia decidido em meu coração que não ficaria mais naquela organização falsa e opressiva. Mas havia pelo menos uma pessoa que eu queria tirar de lá - MINHA NOIVA. Primeiro, porque eu a amava muito e, segundo,  porque nosso casamento já estava praticamente todo organizado. Convites prontos, festa paga, enxoval pronto, vestido e terno alugados, aluguel do clube pago, etc e tal...  

    No outro dia, fui até a casa dela e comecei uma conversa bem sutil em termos apóstatas. Esse diálogo “sutil”, durou mais ou menos uma semana. A reação negativa que ela teve foi cerca de dez vezes maior do que eu esperava. Resultado: nós terminamos e eu me dissociei através de uma carta entregue por minha mãe ao meu instrutor e “mestre de obras” da minha casa. Joguei tudo pelo ares, pois, em minha mente, somente vinham duas passagens bíblicas, que eram:

1- “Todo aquele que preferir seu pai, seus amigos (ou sua noiva) ... ao invés de mim, não é digno de mim””

2- Apocalipse 21:8: “mas enquanto aos covardes, ...assassinos, idólatras... terão seu quinhão no lago que queima como fogo e enxofre.”

    Depois de dissociado, realmente foi difícil superar tal trauma!  

    O principal sentimento ruim era a perda de minha noiva, mas havia também os meus irmãos de fé. Eu saia às ruas temendo encontrar a todo momento meus ex-irmãos  (amigos) e os verem virando seu rosto para mim. Parece que ficar em casa era a melhor coisa a ser feita, pois tinha medo de encarar a realidade.

    REALIDADE? Qual era ela? Era o fato de eu ter saído de uma doutrina enganosa. E foi baseado nesse firme pensamento, juntamente com a ajuda de Deus que consegui superar essa difícil fase da minha vida. Sinto ainda alguns “efeitos colaterais” , mas já estão em  menor intensidade. O tempo, bem como a fé em Deus  são os melhores remédios que existem para esses casos.
    


A seguir, o texto que fora repetidas vezes enviados à sede da Sociedade Torre de Vigia:

Dialogo entre um ancião e um Servo Ministerial  


S - Instrutor, estou passando muita dificuldade no campo no que se refere ao sangue. Por mais que eu explique a questão do sangue, mostrando passagens bíblicas as pessoas, ainda assim não concordam comigo e terminam por me expulsar de suas casas.  

A - Meu amado, seja forte! A Bíblia nos diz que seriamos odiados e repudiados pelas pessoas do sistema. Agora, quanto ao sangue, infelizmente as pessoas do mundo estão certas - nosso conceito sobre o sangue está errado!  

S - O quê!? O que está dizendo, irmão? Não sabe que isso é apostasia?  

A - Sei perfeitamente o que é apostasia, irmão! Mas deixe-me ao menos explicar porque penso assim: primeiro, imagine o que Jesus faria se uma pessoa estivesse morrendo na sua frente por falta de sangue e só houvesse um frasco de sangue ao lado dele ao invés de uma solução salina. Ele permitiria a morte daquela pessoa? Ademais a Bíblia diz em João 15:12-13 que ninguém tem maior amor do que aquele que entrega a sua ALMA em favor de seus amigos. Você sabe onde está a nossa alma para que a entreguemos em favor de nossos amigos?  

S - Não!  

A - Levítico 17:11-14 nos diz que a Alma da carne está no sangue... a alma de todo o tipo de carne é seu sangue pela alma nele. Logo, daríamos o nosso sangue em favor de nossos amigos. A Bíblia ainda nos diz que o amor cobre uma multidão de pecados. Mesmo que tomar sangue fosse pecado, tal pecado poderia ser encoberto pelo ato de amor que uma pessoa tenha feito no sentido de salvar a vida de seu próximo por doar sangue.  

S - Mas, a Bíblia nos diz para nos abstermos de sangue, irmão!  

A - Sim, ela nos diz para abstermos de sangue no sentido de ALIMENTO. Observe as passagens sobre sangue em Lev. e Gên - você irá encontrar somente frases do tipo “Não deveis COMER...”, e outras do mesmo sentido.  

S - Mas, no nosso livro “Raciocínios” se diz que uma transfusão é o mesmo que comer sangue, irmão! Assim ele diz: “ Será que alguém que jamais pusesse sangue em sua boca mas que o aceitasse por meio de transfusão, não estaria obedecendo a ordem bíblica de persistir em abster-se de sangue?”

A - Então eu lhe pergunto: Uma TJ que necessita urgentemente de transfusão, escaparia com vida se BEBESSE solução de Ringer ou dextrano, ao invés de injetá-las nas veias?  

S - Claro que não!

A - Então, transfundir não é o mesmo que comer/beber. No caso do sangue, se o bebermos, ele entrara no nosso organismo como alimento, onde será digerido pelos órgãos da digestão. Se o sangue entrar no nosso organismo através das veias, ele não será considerado como um alimento, mas sim como um VEÍCULO de levar o alimento e o oxigênio para o nosso corpo! É bem diferente!  

S- Realmente, se esta linha de raciocínio, ao meu ver muito lógica e baseada na Bíblia for correta, então porque os irmãos não a consideram no sentido de corrigir tal princípio?  

A - Imagine então se a sociedade lançar um artigo liberando o uso do sangue por parte dos irmãos. O que você acha que iria acontecer? Imagine a quantidade de irmãos que já perderam seus parentes por seguir tal princípio! Se o uso do sangue agora for liberado, não iria causar-lhes grande tristeza ou até indignação? Realmente o CG deveria ser bastante humilde e corajoso a ponto de enfrentar todo o tipo de reações negativas que poderiam surgir! Reações essas dos irmãos, e também das pessoas do mundo.  

S - Podemos fazer algo a respeito?  

A - Deixemos tudo nas mãos de Jeová . Ele proverá a melhor saída!
LIBERTOS!
Participe! Envie seu artigo para indicetj@yahoo.com
O INDICETJ.COM não comercializa publicações, filmes ou qualquer outro tipo de arquivo.

Voltar para o conteúdo