Crise de um sem consciencia - uma resposta - INDICETJ.COM Escandalo sobre Testemunhas de Jeova

Ex-Testemunha de Jeová
publica mais de 1.000 artigos críticos!
Ir para o conteúdo
1
2
3
4
5
6


CRISE DE UM SEM CONSCIÊNCIA
- UMA RESPOSTA

O que segue abaixo é uma resposta ao artigo do apologista das Testemunhas de Jeová que mantêm o site “TNM Defendida”. O artigo original pode ser visto na íntegra aqui:

No site, logo após o artigo, aparece alguns comentários de pessoas que nunca leram os livros “Crise de Consciência” e “Em Busca da Liberdade Cristã” e todos denegrindo a imagem desse homem que foi um verdadeiro cristão: Raymond Franz. Quem já leu seus livros sabem que esse artigo é totalmente parcial e tendencioso e, algumas vezes, mentiroso. Assim, abaixo, direcionei os capítulos dos livros que respondem a esse artigo. Enumerei o artigo para separar as ideias e logo abaixo a resposta direcionando para os livros de Raymond Franz. Se você é uma Testemunha de Jeová, por favor, seja justo e leia os capítulos indicados logo abaixo dos parágrafos. Boa leitura!

1. Em vista de muitas indagações a respeito de Raymond Franz, enviei o texto abaixo, como parte de uma resposta a alguém que me indagou a respeito dos acontecimentos que levaram a expulsão deste: O incidente envolvendo não somente o irmão Fraz, mas também Peter Gregerson, fez com que fossem realizado ajustes doutrinais. De certa forma serviu para aprimorar o entendimento de textos bíblicos e assuntos relacionados com dissociação.

Bem, primeiro, temos que confirmar se houve algum aprimoramento no entendimento dos textos bíblicos relacionados à dissociação e se tal coisa é bíblica. Não é por que o corpo governante diz que é conforme eles explicaram conforme publicado em 1981, que esse é o jeito correto. Vamos fazer assim: leia o capítulo 10 “Pastores para o rebanho” e o capítulo 11 “A Desassociação mal aplicada” do livro “Em Busca da liberdade cristã”, escrito por Raymond Franz, e veja qual explicação está de acordo com a Bíblia. Meu irmão e minha irmã, veja você mesmo! Temos que ficar com o que a Bíblia ensina. Ela é a nossa autoridade.





2. Peter Gregerson era um crítico e vivia espalhando ataques contra os da dianteira da obra. Diversas pessoas foram desassociadas em Betel nos Estados Unidos por estarem realizando reuniões para questionarem as doutrinas da organização de Jeová.

Como ele sabe que “Peter Gregerson era um crítico e vivia espalhando ataques contra os da dianteira da obra”, que evidências apresentou? Você Testemunha de Jeová quer saber o que realmente aconteceu? Ao invés de ouvir o que o Queruvim escreveu aqui, leia você mesmo e descubra. A Bíblia afirma que “quem replica um assunto, sem ouvi-lo é uma tolice e uma humilhação”. Leia o capítulo 11 “Momento da decisão” e capítulo 12 “Consequências” do livro “Crise de consciência”, escrito por Raymond Franz, e tire suas conclusões.





3. Uma das pessoas que destacava de modo enfático que o fim viria em 1975 foi o ex irmão Franz, que acabou sendo convidado a sair do Corpo Governante e recebeu uma ajuda significativa em dinheiro, mudando-se posteriormente.

Aqui têm tanta besteira junta que nem sei por onde começar. Bem, vamos lá. Primeiro quem foi enfático sobre o fracasso de 1975 foi realmente Franz, mas não Raymond Franz e sim Fred Franz (Tio de Raymond Franz). Foi ele quem escreveu o livro “Vida eterna – na Liberdade dos filhos de Deus”, veja isso você mesmo lendo o capítulo 9 “1975: ‘O tempo apropriado para Deus agir’” no livro “Crise de Consciência”.

Quanto a afirmação de que Raymond Franz “acabou sendo convidado a sair do Corpo Governante”. Será que foi assim, ou foi Raymond Franz que pediu licença da sede? Descubra a verdade lendo o capítulo 11 “Momento da decisão”, no livro “Crise de consciência”.





4. Mesmo tendo este apoio econômico, ele ainda criticava os da dianteira e promovia divisões. Foi então que Peter Gregerson pediu dissociação em 18 de Março de 1981. Fez isso principalmente ao saber que 5 irmãos da região de Betel de Nova York haviam sido desassociados. Nesta época ele empregava Raymond Franz e partilhava do mesmo espírito crítico sempre falando contra frustrações envolvendo o ano de 1975 e outros assuntos críticos de doutrinas centrais da organização.

Novamente, muita afirmação sem base. Saiba a verdade no capítulo 11 “Momento da decisão” do livro “Crise de consciência”.





5. No final do ano em 15 Setembro de 1981 a Organização publicou um artigo de A Sentinela, explicando que tanto um desassociado quanto um dissociado devem ser evitados da mesma forma. Ficou evidente que um dissociado partilhava das mesmas atitudes e com o agravante de disseminar apostasia livremente , caso algo não fosse feito.

Hum... Leia o capítulo 10 “Pastores para o rebanho” e o capítulo 11 “A Desassociação mal aplicada” do livro “Em Busca da liberdade cristã”.





6. Ignorando o novo entendimento, Franz continuava a se associar com seu colega, patrão e ex irmão de fé. Deixou-se levar não pelas diretrizes da palavra de Deus e orientação dos que tomam a dianteira da obra.

Ignorando o novo entendimento? O cristão deve sempre ignorar um “novo entendimento” se ele for claramente contrário a Bíblia. Você encontra a verdade sobre esse assunto no capítulo 10 “Pastores para o rebanho” e o capítulo 11 “A Desassociação mal aplicada” do livro “Em Busca da liberdade cristã”.





7. Franz foi chamado para uma Comissão Judicativa por ser visto regularmente se associando e inclusive almoçando junto com Peter Gregerson. Foi então definitivamente desassociado no final de Novembro de 1981.

Será que foi esse o motivo? Leia o capítulo 11 “Momento da decisão” e capítulo 12 “Consequências” do livro “Crise de consciência”.





8. Raymond Franz foi uma pessoa que procurou promover a si mesmo, em vez de os interesses do Reino e de seu Senhor Jesus Cristo.

Promoveu a si mesmo? O que ele ganhou? Quem é que promove a si mesmo, Raymond Franz ou o Corpo Governante que se auto intitula o “único canal de comunicação de Deus” na Terra? Leia o livro inteiro “Em Busca da liberdade cristã” e tire suas conclusões se ele quis se promover ou encaminhar as Testemunhas a serem realmente cristã, a seguirem e terem somente Cristo como cabeça?





9. E ele secretamente tentou influenciar outros com suas próprias ideias contrárias à verdade bíblica. Quando foi chamado por irmão amorosos que queriam aconselhá-lo e ajustá-lo recusou a se corrigir. Ele continuou a ser admoestado e foram feitas tentativas de ajudá-lo até que todos os esforços falharam. Não estava disposto a arrepender-se.

Novamente, veja se isso é verdade lendo o capítulo 11 “Momento da decisão” e o capítulo 12 “Consequências” do livro “Crise de consciência”





10.  Devido sua própria teimosia deixou a organização e publicou sua versão distorcida dos fatos. Suas opiniões pessoais simplesmente refletem seu próprio estado orgulhoso. Como predito nas Escrituras, este tipo de gente prometem “liberdade” quando eles mesmos são escravos da corrupção. ( 2Pe 2: 17-22).

Versão distorcida dos fatos? Ele cita nomes, livros, cartas, inclusive as cartas estão anexadas ao livro. Se você é uma Testemunha de Jeová veja você mesmo. Leia o capítulo 11 “Momento da decisão” e o capítulo 12 “Consequências” do livro “Crise de consciência”.





11.  Tanto Raymond Fraz quanto Peter Gregerson e muitos outros opositores das Testemunhas de Jeová costumeiramente falavam de seus anteriores irmãos de fé e do conjunto de verdades bíblicas que abandonaram como sendo a “Torre de Vigia”.

Novamente, leia o livro inteiro “Crise de consciência” e veja se essas alegações são verdadeiras. Quanto ao “conjunto de verdades bíblicas” gostaria que você lesse com calma o livro “Em Busca da liberdade cristã” e leia os textos bíblicos e veja se a Bíblia apoia a idéia de que as Testemunhas de Jeová são a única religião verdadeira e se a Bíblia apoia a ideia de o corpo governante (Auto intitulado “escravo fiel e discreto”) ser o único canal de comunicação de Deus na Terra. Aliás leia especificamente o capítulo 5 “O Escravo fiel e discreto” e saiba o que a Bíblia realmente ensina.





12.  Em primeiro lugar isso já demonstrava uma certa ignorância ou admissão dela. “Torre de Vigia” é uma sociedade ou corporação jurídica usada pelas Testemunhas de Jeová. Quando evitam falar diretamente contra as “Testemunhas de Jeová”, eles até que fazem algo de bom, que é evitar o Nome de Deus sair de suas bocas cheias de engano, difamação e calúnia.

Quanto ao uso do nome de Deus leia o capítulo 14 “Um povo para o seu nome” do livro “Em Busca da liberdade cristã”.





13. Peter Gregerson afirma em sua página atual que “nunca teve problemas com repreensão, desassociação, ser evitado”… mas no livro da Raymond Fraz este alega que pouco antes de sua desassociação, Peter Gregerson ao perceber que muitos estavam sendo desassociados e por perceber um espírito de “caça as bruxas” decidiu então se dissociar. Ele temia justamente ser evitado por muitos funcionários que eram Testemunhas. Esta é apenas uma das muitas contradições destes homens que não vale a pena se aprofundar.

Peter Gregerson nunca teve problemas com disciplina conforme claramente administrada segundo os padrões bíblicos e não segundo o que o corpo governante entende ser a aplicação correta de disciplina. Sobre o assunto de disciplina leia o capítulo 10 “Pastores para o rebanho” e o capítulo 11 “A Desassociação mal aplicada” do livro “Em Busca da liberdade cristã”.





14.  As Testemunhas de Jeová reconhecem abertamente que o seu entendimento do propósito de Deus tem passado por muitos ajustes ao longo dos anos. O fato de que o conhecimento do propósito de Deus é progressivo significa que tem de haver mudanças.

Haver mudanças no entendimento do propósito de Deus é compreensível. É até mesmo elogiável quando precisamos mudar de opinião quando alguém nos chama atenção de que nosso entendimento de certo ensino nas escrituras esta equivocado. Mas se meu entendimento das escrituras não é claro e eu digo que você deve aceita-lo, pois não aceita-lo faz você perder o favor de Deus, definitivamente não é bíblico e inclusive é anti-cristão. Impor um entendimento que traz sérias consequências para vida das pessoas e que elas devem aceitar esse entendimento como vindo de Deus, não é bíblico. Sobre isso leia o capítulo 2 “O canal de Deus”, o capítulo 5 “Tradição e Legalismo”, o capítulo 6 “Critérios duplos” e capítulo 7 “Predição e presunção” do livro “Crise de consciência” e o capítulo 8 “O legalismo – Oponente da liberdade cristã”, o capítulo 9 “O sangue e a vida, a lei e o amor” e o capítulo 12 “Doutrinação e Subordinação” do livro “Em busca da liberdade cristã”.





15.  O propósito de Deus não muda, mas o esclarecimento que ele continuamente concede a seus servos exige ajustes no seu ponto de vista. Este foi um dos pontos principais de discordâncias da parte destes opositores que tinham uma visão de perfeição total quando se fala de assuntos bíblicos.

Será que esse era o motivo da discórdia desses homens. Veja isso no capítulo 11 “Momento da decisão” e o capítulo 12 “Consequências” do livro “Crise de consciência”.





16. Mas as coisas nem sempre são assim. O escravo é fiel e prudente, não se diz na Bíblia que eles são “fiéis e perfeitos”. Tendo isso em mente observe o que afirmou o irmão Frederick William Franz, tio de Raymond Franz: Tendo esse conceito realista das limitações da cronologia bíblica, o irmão Franz declarou em seu discurso sobre a cronologia que aponta para 1975: “‘O que isso significa? Será que significa que o dia de descanso de Deus começou em 4026 A.E.C. [quando Adão foi criado]? É possível que tenha começado. … “‘O que dizer do ano de 1975? O que irá significar, caros amigos?’ – perguntou o irmão Franz. ‘Será que significa que o Armagedom estará terminado, com Satanás preso, por volta de 1975? É possível. É possível. Todas as coisas são possíveis para Deus. Será que significa que Babilônia, a Grande, terá sido derrubada por volta de 1975? É possível. Será que significa que o ataque de Gogue de Magogue será lançado contra as testemunhas de Jeová, para eliminá-las, daí o próprio Gogue sendo posto fora de ação? É POSSÍVEL. MAS, NÃO ESTAMOS AFIRMANDO. Todas as coisas são possíveis para Deus. MAS, NÃO ESTAMOS AFIRMANDO. E que nenhum dos irmãos seja específico em dizer algo que irá acontecer daqui até 1975.’”. – A Sentinela de 15 de fevereiro de 1967, p. 127. (Relacionado a 1975 leia este artigo  ou ainda este artigo )

Aqui o defensor do corpo governante afirma que “O escravo é fiel e prudente, não se diz na Bíblia que eles são “fiéis e perfeitos””. Em primeiro lugar teríamos que confirmar que o escravo fiel e prudente são os membro do corpo governante. Sobre isso leia o capítulo 5 “O escravo fiel e discreto” do livro “Em busca da liberdade cristã”.

Sobre a afirmação de que a liderança das Testemunhas nunca afirmou ser infalíveis, leia o capítulo 7 “Predições e presunção” do livro “Crise de consciência” e veja as citações que os defensores da liderança das Testemunhas “esquecem” de citar.

Sobre o que realmente foi dito sobre 1975, leia o capítulo 9 “1975: ‘O tempo apropriado para Deus agir’” do livro “Crise de consciência”.





17. Espero que algumas de suas dúvidas possa ter sido respondida, fique a vontade para escrever e partilhar. Mas evite ler material produzido por estes opositores.

É interessante essa afirmação. Ele espera que tenha tirado as dúvidas de algum leitor de seu blog, porém diz para ele evitar ler material produzido por opositores. Agora veja que curioso isso. A Igreja Católica sempre afirmou ser o representante de Deus na terra. Desde quando Russel começou seus estudos da Bíblia ele achou um absurdo essa afirmação. Prova disso é que tanto seus escritos bem como os de Rutherford condenam essa presunção. Agora as Testemunhas de Jeová se dizem os únicos que possuem a verdade bíblica. Porém, você não pode avaliar se isso é verdade ou não, por analisar as críticas as essas pretensas afirmações. Porém, muitos que são testemunhas eram católicos e analisaram se a afirmação do Papa era correta. Imitaram os bereanos em confirmar se o que estavam aprendendo estava de acordo com as escrituras. E isso é o que você Testemunha de Jeová deve fazer. Leia com calma o livro “Em busca da liberdade cristã” e tome sua decisão.





18. Meias verdades são piores que mentiras, visto que amiúde, parecem verdades. Podem ser muito prejudiciais.

Concordo plenamente. Pena que é exatamente isso que o apologista das Testemunhas fez nesse artigo. Leia os livros “Em busca da liberdade cristã” e “Crise de consciência” e tire suas conclusões.





19. Quando na realidade, estão usando de pura psicologia  para enganar a mente desavisada. “Pode-se dizer, apropriadamente, que o Adversário de Deus foi o primeiro apóstata, conforme indicado pelo nome Satanás.[que significa opositor] Ele induziu o primeiro casal humano a apostatar. (Gên 3:1-15; Jo 8:44)” * Em sua defesa, Jó mostrou que Deus não concede audiência ao apóstata (Jó 13:16), por que deveríamos nós dar atenção a este tipo de gente? O que diz a Bíblia? Ela nos ordena que os evitemos! LEIA ROMANOS 16:17: “Exorto-vos agora, irmãos, que fiqueis de olho nos que causam divisões+ e motivos para tropeço contra o ensino+ que aprendestes, e que os eviteis.“

Bem, primeiro a Bíblia realmente fala de apostasia,. Mas, apostasia contra Deus. Não contra homens que falam em nome de Deus. O que era apostasia para os primitivos cristãos era negar a cristo e seus CLAROS ENSINOS e não falsos ensinos e falsas profecias. Por favor, leia o capítulo 7 “Predições e presunção” e o capítulo 10 “1914 e “esta geração”” do livro “Crise de consciência” e o capítulo 15 “A grandeza das boas novas” do livro “Em busca da liberdade cristã”.


*Os livros “Crise de consciência” e “Em busca da liberdade cristã” estão disponíveis pela internet. Caso não encontre pode solicitar me pedindo mediante o e-mail: cristaosbereano@gmail.com.

LIBERTOS!
Participe! Envie seu artigo para indicetj@yahoo.com
O INDICETJ.COM não comercializa publicações, filmes ou qualquer outro tipo de arquivo.

Voltar para o conteúdo